Zagueiro é condenado a 2 anos de prisão por agressão

O jogador de futebol Darzoni da Silva Pillar foi condenado a cumprir dois anos e dois meses de prisão - mas conseguiu o regime aberto - por ter agredido o zagueiro Régis Thadeu da Rosa Júnior, em 1999, no jogo entre Santo Ângelo e Caxias. A decisão foi confirmada pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul no dia 13 de dezembro, em análise de recurso contra sentença de primeiro grau, e tornada pública nesta semana, quando o juiz da Vara de Execuções Criminais de Santo Ângelo, Fábio Marques Welter, notificou o jogador. Darzoni foi autorizado a cumprir a pena sem pernoitar em albergues para não prejudicar seu trabalho atual, como zagueiro do Guarany de Bagé. O episódio que resultou na condenação ocorreu em 13 de novembro de 1999, em Santo Ângelo, e teve repercussão internacional. No último minuto do jogo contra o Caxias (empatado por 1 a 1), Darzoni, então atacante do Santo Ângelo, desferiu um soco na cabeça de Régis, numa agressão que a Justiça entendeu como fútil por ter sido feita de surpresa, sem motivo e sem chance de defesa para a vítima. O argumento que Darzoni teria sido agredido por Régis durante o jogo foi desmentido pelas imagens de televisão analisadas pela Justiça. Régis entrou em coma e ficou vários dias na UTI do hospital de Caxias do Sul. Conseguiu se recuperar, mas as seqüelas interromperam sua carreira no futebol, aos 21 anos. Darzoni seguiu rodando por diversos times do interior do Rio Grande do Sul. Atualmente, com 30 anos, defende o Guarany de Bagé como zagueiro. Nesta quarta-feira, inclusive, ajudou o time a ganhar do Gaúcho, em Passo Fundo, por 2 a 0. Em maio, ele vai para o São Gabriel. Como não precisará dormir em albergues, Darzoni terá de informar seu paradeiro à polícia das cidades onde estiver jogando nos próximos dois anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.