Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo
Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo

Zagueiro Henrique se prepara para a catimba chilena na Libertadores

Autor do gol da vitória no último jogo do Brasileiro destaca experiência dos chilenos na decisão de quarta

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2018 | 07h00

O zagueiro Henrique espera um jogo catimbado nesta quarta-feira diante do Colo-Colo pelas oitavas de final da Libertadores. O Corinthians precisa reverter a derrota por 1 a 0 do primeiro jogo. “Acho que o jogo será como foi o primeiro. São jogadores experientes, com rodagem. Com o resultado de 1 a 0, eles vão usar o mesmo método”, afirmou o defensor aos canais ESPN.

“Essa catimba de segurar o jogo, tentar um jogo mais forte. Mas a gente sabe o que vai enfrentar, estamos preparados. Vamos apenas jogar futebol”, completou o autor do gol da vitória diante do Paraná.

Os jogadores estão concentrados no CT Joaquim Grava desde a noite desta segunda-feira. O último treino antes do jogo diante do time chileno será realizado no mesmom local. A comissão técnica descartou a realização de um treino na Arena Corinthians, como já aconteceu antes dos jogos decisivos.

A principal dúvida corintiana é a escalação de Cassio. Ele foi substituído no jogo de sábado diante do Paraná após sentir dores no quadril causadas por uma queda durante uma defesa. Nesta segunda-feira, as primeiras avaliações médicas apontaram apenas uma pancada, não uma lesão muscular. Com isso, suas chances de ser escalado aumentam. Após a expulsão no primeiro jogo, Gabriel é desfalque certo, pois cumpre suspensão. Angelo Araos, que já disputou a Liberadores pela Universidad do Chile, também não poderá atuar.

BRIGA POLÍTICA

Na véspera da decisão, Loss blinda jogadores da disputa política que agita os bastidores do clube. O promotor Paulo Castilho, do Ministério Público de São Paulo, convocou uma entrevista coletiva para a manhã desta terça-feira para esclarecer dúvidas sobre a sentença criminal imposta contra a Telemeeting Brasil, empresa responsável pela eleição corintiana. O Juizado Especial Criminal multou a empresa e, R$ 5700 por violação do Código de Defesa do Consumidor. A acusação de fraude eleitoral foi descartada.

Os candidatos derrotados ainda podem abrir uma ação civil pedindo a anulação das eleições do clube. "A partir desta sentença irei analisar com meus advogados as medidas que adotarei”, afirmou Paulo Garcia ao Estado. 

Com isso, a possibilidade de anulação das eleições presidenciais do Corinthians deste ano perdeu força ontem, mas o clima político continua agitado. Fontes ouvidas pelo Estado afirmam que as suspeitas de fraude na eleição de fevereiro fazem parte da acomodação das diversas correntes políticas do clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.