Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Zagueiro inglês diz que Colômbia foi a equipe mais 'suja' que ele já enfrentou

John Stones critica atuação de colombianos na vitória conquistada apenas nos pênaltis na última terça-feira

Estadão Conteúdo

05 Julho 2018 | 15h30

O zagueiro John Stones reclamou das tentativas de a Colômbia trapacear no confronto contra a Inglaterra, pelas oitavas de final da Copa do Mundo. Na última terça-feira, no Spartak Stadium, em Moscou, a partida entre as seleções terminou empatada por 1 a 1 após o fim do tempo regulamentar e da prorrogação, e os ingleses se classificaram com triunfo por 4 a 3 nos pênaltis.

+ Quatro anos depois de tirar Neymar da Copa, Zuñiga se apresenta

+ Imprensa inglesa exalta atuação de Pickford e classificação histórica

+ Falcao García critica atuação de árbitro em queda da Colômbia: "Vergonhoso'

"Foi uma partida muito estranha, provavelmente contra a equipe mais suja que já enfrentei", afirmou o inglês, em coletiva de imprensa concedida nesta quinta-feira, em Repino. "Quando foi marcado um pênalti para nós, os colombianos pressionaram o árbitro, empurraram, chutaram a marca da cal. Também teve a cabeçada que o (Jordan) Henderson sofreu", listou Stones, com a reclamação de uma agressão cometida por Wilmar Barrios.

Para o defensor, a partida poderia ter sido mais fácil para a Inglaterra se o árbitro norte-americano Mark Geiger tivesse expulsado jogadores da Colômbia. Seis atletas colombianos e dois ingleses receberam cartões amarelos, mas nenhum cartão vermelho foi mostrado durante o duelo.

 

"Nunca vi algo assim antes, pela forma como se comportaram. Acredito que o árbitro deveria ter mostrado muitos cartões vermelhos. Se ele visse as coisas que aconteceram, teria sido uma partida diferente. Creio que nunca havíamos visto isso, foi surpreendente", queixou-se.

Classificada, a Inglaterra agora se prepara para enfrentar a Suécia, pelas quartas de final da Copa do Mundo. A seleção inglesa voltará a campo às 11 horas (de Brasília) deste sábado, em Samara.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.