Rubens Chiri/ saopaulofc.net
Rubens Chiri/ saopaulofc.net

Zagueiro Léo revela cobranças entre os jogadores para o São Paulo 'jogar mais'

Equipe do Morumbi vem de dois empates sem gols pelo Campeonato Brasileiro e segue próxima à zona de rebaixamento

Redação, Estadão Conteúdo

01 de outubro de 2021 | 16h26

O São Paulo sonha com coisas grandes no Brasileirão após início muito ruim e presença na zona de rebaixamento por algumas rodadas. O time ainda não emplacou na competição, vem de dois empates seguidos, mas o zagueiro Léo revelou que o grupo se reuniu para "jogar mais". A ordem é iniciar a "volta por cima" já contra a Chapecoense.

Com o aumento de vagas para a Libertadores, o São Paulo fará de tudo para alcançar uma posição entre os nove melhores no nacional. E, para isso, não admite voltar de Chapecó sem os três pontos, no domingo.

"A gente tem se cobrado bastante para jogar mais, melhorar, estamos com esse foco de querer mais a bola. Precisamos disso, e estamos conscientes que precisamos melhorar na tabela", afirmou Léo.

Depois de empates sem gols contra América-MG e Atlético-MG, a ordem é desencantar na Arena Condá para deixar de vez para trás a ameaça de queda e entrar de vez na luta por vaga na Libertadores.

"A gente tem bastante consciência (do atual momento), agora é buscar cada vez mais resultados positivos para alavancarmos na competição. É importante pensar jogo a jogo, saber que os três pontos são muito importantes, ir lá (Chapecó) bastante focado, com a consciência que esse grupo merece mais, algo melhor, então vai ser muito importante vencer."

Com Arboleda e Miranda à disposição, alguém da defesa poderia sair caso Hernán Crespo abrisse mão dos três zagueiros. Léo já se antecipou e disse que joga onde o técnico quiser. "Independentemente de onde o professor achar que eu tenho de jogar, ou como ele achar que o time deve jogar, o importante é dar o melhor para o São Paulo, para o grupo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.