Felix Ordonez/Reuters
Felix Ordonez/Reuters

Zagueiro Ricardo Carvalho é sentenciado a sete meses de prisão por fraude fiscal

Apesar da condenação, o ex-jogador do Real Madrid não irá para a cadeia

Estadão Conteúdo

06 Outubro 2017 | 13h34

O zagueiro Ricardo Carvalho, ex- Chelsea e Real Madrid, foi sentenciado nesta sexta-feira a sete meses de prisão após ser considerado culpado de uma acusação de fraude fiscal na Espanha. Apesar da condenação, o jogador de 39 anos do Shanghai SIPG, da China, não irá para a cadeia.

+ Messi é condenado a 21 meses de prisão por fraude fiscal

Ricardo Carvalho se beneficiou da lei espanhola, que prevê que qualquer sentença de menos de dois anos de prisão para crimes não violentos e acusados sem condenações anteriores seja suspensa. O zagueiro, porém, será obrigado a pagar uma multa de 142.882 euros (cerca de R$ 530 mil).

De acordo com a Justiça espanhola, Ricardo Carvalho se declarou culpado ao tribunal. Ele era acusado de não declarar os valores de direitos de imagem recebidos entre os anos de 2011 e 2012, quando defendia o Real Madrid, evitando o pagamento de 545.981 euros (pouco mais de R$ 2 milhões) em impostos.

Ricardo Carvalho devolveu este valor ao fisco espanhol e admitiu a irregularidade. Ao se declarar culpado, evitou uma sentença maior, de 12 meses de prisão, e o pagamento de 300 mil euros (R$ 1,11 milhão) em multa.

Revelado pelo Porto, Ricardo Carvalho viveu a melhor fase da carreira no Chelsea, entre 2004 e 2010. De lá, foi para o Real Madrid, onde atuou por três temporadas. Após uma passagem pelo Monaco, chegou ao Shanghai SIPG este ano.

Ele se tornou mais um nome ligado ao futebol a ser acusado de fraude fiscal na Espanha. Do ano passado para cá, astros como Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, além de Falcao García, Fabio Coentrão, José Mourinho, entre outros, enfrentaram investigações da Justiça do país por irregularidades no pagamento de impostos.

Mais conteúdo sobre:
Real Madrid Club de Futbol Chelsea

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.