Hassan Ammar/AP
Hassan Ammar/AP

Zagueiro tunisiano confia em quebrar jejum de 40 anos sem vitória em Copas

Depois de perder para as favoritas do Grupo G, Inglaterra e Bélgica, Tunísia vai enfrentar o Panamá na quinta-feira, em Saransk

Estadão Conteúdo

25 Junho 2018 | 19h50

Após perder dois jogos e ser eliminada de forma antecipada no Grupo G, a Tunísia vai para o duelo diante do Panamá, nesta quinta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Saransk, com o objetivo de quebrar um jejum de quatro décadas sem vitória em Copa do Mundo.

+ Técnico tunisiano pede desculpas à torcida e vê seleção 'distante' de nível ideal

+ Técnico do Panamá exalta ex-gremista por gol e diz: 'Me senti muito comovido'

+ Com Lukaku artilheiro, Bélgica goleia Tunísia e fica perto de vaga

O zagueiro Hamdi Naguez lamentou o fato de encarar dois adversários candidatos ao título nas primeiras partidas do Mundial da Rússia e projetou uma conquista histórica diante dos panamenhos. "Jogamos duas partidas contra equipes melhores que nós, já que estávamos em um grupo difícil. Agora, devemos nos concentrar no último jogo e vencer o Panamá e parar essa série de 40 anos sem vencer uma partida da Copa do Mundo", afirmou o defensor de 25 anos, com 17 jogos pela seleção tunisiana.

O último triunfo da Tunísia em Copa foi em 2 de junho de 1978, na cidade argentina de Rosario, quando a equipe bateu o México por 3 a 1 na estreia. Aquela vitória, aliás, foi histórica pois foi a primeira de uma seleção africana em Mundiais. Nos jogos seguintes daquele torneio, uma derrota para a Polônia (1 a 0) e um empate contra a Alemanha Ocidental (0 a 0).

Depois disso, a Tunísia participou de outras três Copas: 1998, 2002 e 2006. As campanhas foram idênticas, com duas derrotas e um empate em cada competição.

 

Para conquistar os três pontos nesta quinta-feira, o técnico Nabil Maaloul tem alguns problemas. Com lesão no tornozelo, o zagueiro Dylan Bronn está fora de combate entre quatro e seis semanas - ele já deixou a Rússia para tratamento. O defensor Syam Ben Youssef está com problemas no joelho e também não joga contra o Panamá, mas continua com o grupo. E o goleiro Mouez Hassen fará tratamento por pelo menos quatro meses em contusão no ombro, ocorrida logo no início do jogo de estreia contra os ingleses - já foi cortado.

Além disso, muitos atletas estão desgastados por causa da intensidade das duas primeiras partidas da Copa do Mundo. O treinamento do último domingo foi cancelado para recuperação dos jogadores.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.