Zâmbia sobe no ranking da Fifa após Copa Africana, Brasil é 7o

A Zâmbia subiu 28 posições no ranking da Fifa, chegando pela primeira vez em 11 anos entre as 50 melhores seleções, após vencer a Copa Africana de Nações no domingo.

REUTERS

15 de fevereiro de 2012 | 12h11

Os Chipolopolos (Balas de Cobre) chegaram à 43a posição, a melhor da seleção do país desde fevereiro de 2001, após derrotar a Costa do Marfim nos pênaltis depois de uma final sem gols em Libreville, capital do Gabão.

Apesar de ter perdido a decisão, a Costa do Marfim subiu três posições, para 15o, e é a seleção africana mais bem colocada. Os Elefantes - como a equipe é chamada no país - não sofreram gols durante o torneio.

Já a seleção brasileira perdeu a sexta posição no ranking para Portugal e é a sétima colocada.

Mali, que terminou a Copa Africana de Nações em terceiro, subiu 25 posições e chegou a 44o, uma à frente do Gabão, um dos países-sedes do torneio africano, que subiu 46 posições após chegar às quartas-de-final após vencer Níger e Marrocos.

A Guiné Equatorial, que também sediou a competição, subiu da 151a colocação para a 110a após superar todas as expectativas e chegar às quartas de final.

A Espanha seguiu no topo do ranking, enquanto a Alemanha subiu para segundo e a Holanda caiu para terceiro, apesar de nenhuma das duas seleções ter jogado nó último mês.

A Fifa informou que a troca de posições se deveu à desvalorização de partidas disputadas em anos anteriores.

A Argentina deixou o grupo das dez seleções mais bem colocadas, cedendo seu lugar para a Dinamarca.

Veja abaixo a lista dos dez primeiros colocados. A posição no ranking anterior aparece entre parênteses.

1. (1) Espanha

2. (3) Alemanha

3. (2) Holanda

4. (4) Uruguai

5. (5) Inglaterra

6. (7) Portugal

7. (6) Brasil

8. (9) Itália

9. (8) Croácia

10.(11) Dinamarca

(Reportagem de Brian Homewood em Berna)

Tudo o que sabemos sobre:
FUTFIFARANKINGZAMBIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.