Zamorano elogia Neymar: 'Tem um potencial que faz a diferença'

BUENOS AIRES - Representante de uma fabricante de material esportivo na Copa América, disputada na Argentina até o próximo domingo, o ex-jogador Iván Zamorano elogiou duas das maiores promessas do futebol mundial e destaques do torneio continental, mas que já voltaram para casa.

Efe

20 de julho de 2011 | 23h04

O chileno exaltou o futebol de seu compatriota Alexis Sánchez, de 22 anos, e o atacante brasileiro Neymar, de 19, que pode reforçar o Real Madrid na próxima temporada.

"Neymar é um enorme jogador. Tem um potencial que faz a diferença. O único vazio que vejo nele é a experiência. Isso se ganha com o tempo. Vi nesta Copa América que era difícil para ele ser o grande jogador que é em alguns momentos importante das partidas. Quando Messi dizia: 'vou lá e vou driblar três', ele ia e passava por todo mundo. Faltou isso a Neymar no torneio", declarou Zamorano, que, no entanto, acredita que o jogador de 19 anos tem vaga no Real.

"(Neymar) É um 'jogadoraço', é diferente, não tem limites. O Real Madrid tem o melhor técnico do mundo, Mourinho, junto a Josep Guardiola. Tem os jogadores. Só falta a engrenagem necessária para aplicar um estilo que sirva para devolver ao clube o posto de número um na Espanha e no mundo", considerou.

Titular da seleção chilena na Copa do Mundo de 1998, quando formou uma grande dupla com Marcelo Salas, o ex-jogador falou também sobre a maior esperança do futebol de seu país atualmente, o atacante Alexis Sánchez, que está vinculado à Udinese desde 2006 e pode se transferir para o Barcelona.

"Alexis tem uma vantagem, já conta com um caminho percorrido. Ter triunfado no futebol mais exigente do mundo, que é o italiano, é um dado a favor. Digo isso por experiência própria. O futebol espanhol é mais livre. É certo que o Barcelona de Guardiola tem uma mecânica especial, mas o treinador é muito inteligente e tem capacidade de tirar o máximo de seus jogadores", comparou Zamorano, que atou por Sevilla e Real Madrid antes de defender a Inter de Milão.

Terceiro colocado na Copa América de 1991, disputada no Chile, o ex-atacante comentou ainda o desempenho do Uruguai, que se garantiu na final da atual edição do torneio, depois de ter vencido o Peru por 2 a 0 nesta terça-feira, nas semifinais.

"O Uruguai sempre nos acostumou ao sangue charrua, à raça. No meu tempo, misturava esse poderio com o talento de (Enzo) Francescoli. Hoje tem uma equipe, têm tudo o que as grandes equipes precisam para ser campeões", comentou Zamorano, que fez referência especial às atuações do atacante Diego Forlán.

"Ele passou o último ano lutando contra problemas físicos e pessoais. Mas Forlán foi eleito o melhor jogador da Copa no ano passado. E hoje, na Copa América, 80 % dos gols do Uruguai começaram em seus pés. Além disso, é uma pessoa incrível. Fora do campo, tem valores que os profissionais admiram. É um exemplo a seguir na vida, tomara que jogue futebol por muitos anos ainda", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.