Divulgação/Conmebol
Divulgação/Conmebol

Zanetti adota cautela com Argentina e vê Messi melhor que Cristiano Ronaldo

Astro argentino indica que equipes da América do Sul precisam se esforçar mais para chegar longe na Copa do Mundo

Glauco de Pierri, enviado especial/Moscou, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 08h26

Um dos maiores jogadores da história do futebol argentino, Javier Zanetti, que como lateral e volante defendeu seleção da Argentina (é o segundo atleta que mais jogou pelo país, com 143 partidas) e a Internazionale de Milão por quase 20 anos, conversou com os jornalistas na manhã desta segunda-feira na Casa Conmebol, em Moscou. Vice-presidente do clube italiano, ele tentou ser o mais 'imparcial' possível, evitou críticas, mas deu a entender o que pensa, principalmente sobre o futebol sul-americano. “É preciso encontrar soluções para vencer grandes jogos”, disse.

+ Pela primeira vez, diretor da Fifa admite 'erro' em gol da Suíça

+ 'Temos de manter a tranquilidade e buscar vencer’, diz Thiago Silva

+ Presidente do Senegal tira doze dias de férias para acompanhar sua seleção

Para ele, a Copa do Mundo até agora teve muitas surpresas. “O futebol de hoje apresenta seleções equilibradas. Todas lutam pelo resultado, mesmo quando encaram as potências, aos candidatos ao título. Mas isso é bom para o esporte”, afirmou.

O ex-craque foi questionado sobretudo em relação ao Brasil e a Argentina e ao desempenho das duas seleções. “O Brasil tem grandes jogadores, muito talentosos, como a Argentina. Sempre vão ser candidatos ao título”, disse. “Os dois jogaram contra rivais muito complicados. A Argentina não encontrou os espaços contra uma Islândia que se postou em campo com duas fortes linhas de quatro. O mesmo ocorreu com o Brasil jogando contra a Suíça. Acho que as duas seleções vão conseguir avançar, mas precisarão encontrar soluções ideiais para enfrentar adversários com forte marcação”, afirmou o argentino.

Ele ainda comentou a vitória do México frente a Alemanha. “O México fez uma excelente partida. Dominou a seleção alemã, atual campeã do mundo, que trabalha há muito tempo junto e que sempre vai ser candidata ao título também. E isso não é uma tarefa fácil”, disse.

 

Zanetti ainda comentou sobre o rendimento de dois dos três grandes jogadores que estão na Rússia - Cristiano Ronaldo e Messi. “Ronaldo começou fazendo três gols e sendo uma referência de sua seleção. Teve um grande início enfrentando a Espanha, que é sempre complicada, e teve um grande resultado. Messi encontrou pela frente um outro tipo de partida, muito mais complicada. Desequilibrou o jogo em várias oportunidades. Para mim, ele é o melhor jogador do mundo”, disse.

Zanetti ainda foi perguntado sobre o futebol da Itália, já que a seleção italiana não conseguiu se classificar para o Mundial. “As Eliminatórias são difíceis. A Itália ficar fora da Copa foi uma grande surpresa. Para o futebol do país, isso pode representar um ponto de partida para que exista uma mudança. Tomara que isso aconteça”, afirmou o dirigente.

Mas Zanetti foi mesmo é bombardeado sobre suas impressões em relação à seleção de seu país. “Tomara que a Argentina siga em frente”, afirmou logo no começo da conversa. “Eu falei antes e agora eu repito: Mauro (Icardi, atacante da Internazionale) merecia estar aqui pelo que fez e pelo que vem fazendo. Era para estar aqui na Rússia”, cutucou.

Sobre os problemas da seleção, ele tentou se esquivar. “Não sei se é um problema de hierarquia. Está seleção tem grandes jogadores. Temos que dar um tempo porque as Eliminatórias foram muito difíceis, houve troca de treinador não dá para conseguir as coisas de hoje para amanhã. A próxima partida (contra a Croácia, quinta-feira, às 15h, no horário de Brasília) será uma prova muito importante. Vamos ver”, concluiu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.