Zapatero encara Fifa e exige eleição na Federação Espanhola

O primeiro-ministro da Espanha, José LuisRodríguez Zapatero, exigiu que a Real Federação Espanhola deFutebol (RFEF) cumpra a lei e antecipe a eleição para apresidência da entidade. A determinação deve agravar ainda mais a tensão entre aEspanha e a Fifa, cujo presidente, Joseph Blatter, haviaameaçado excluir a seleção espanhola da Eurocopa de 2008 caso ogoverno tentasse interferir nas eleições da RFEF. "A responsabilidade do governo é agir de maneira legal egarantir que os outros cumpram a lei", disse Zapatero nasexta-feira à rádio Cadena Ser. "O sistema jurídico espanhol se aplica a todos, e umafederação esportiva tem uma responsabilidade, porque representanosso país em competições internacionais. Eles têm de cumprir alei", insistiu. O governo, por meio do seu Conselho Desportivo, exige quetodas as federações que não estejam envolvidas nos JogosOlímpicos realizem eleições no primeiro trimestre de 2008,antes, portanto, da Olimpíada de agosto, em Pequim. Na semana passada, um tribunal espanhol rejeitou um recursoda RFEF para adiar sua eleição. Na segunda-feira, a federação e seu presidente, Angel MaríaVillar, ignoraram a decisão judicial durante uma assembléiageral e marcaram a votação para 26 de novembro. Em fevereiro, Blatter saiu em apoio à RFEF e ameaçouexcluir a Espanha de competições internacionais caso a pressãodas autoridades sobre a federação prosseguisse. "Seria duro, mas levaria apenas seis horas para convocaruma reunião de emergência da Fifa e decidir sobre a exclusão daEspanha", disse Blatter a jornalistas. "A Espanha não poderia jogar a Euro 08, e seus clubes nãocontinuariam na Liga dos Campeões ou na Copa da Uefa",afirmou. Segundo Blatter, a Fifa não tem medo de agir contrafiliados, como já ficou claro em conflitos no passado em queprevaleceu contra Portugal e Grécia. Zapatero, que disputa a reeleição no domingo, disse que ogoverno vai contestar qualquer tentativa de excluir a "Fúria"da Eurocopa deste ano. "O governo espanhol manteria a superioridade numa batalhajudicial", afirmou o premiê. "É impensável que algo conquistadonuma competição desportiva seja negado em um gabinete. Seacontecesse, tomaríamos as medidas necessárias." (Reportagem de Mark Elkington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.