Vitor Silva/SSPress/Botafogo
Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Zé Ricardo celebra casa cheia em sua 1ª decisão pelo Botafogo

Treinador estreia diante da torcida botafoguense nesta quinta-feira, contra o Nacional do Paraguai, pelo Sul-Americana

Estadão Conteúdo

15 Agosto 2018 | 17h54

O primeiro contato do técnico Zé Ricardo diante da torcida do Botafogo será num Engenhão cheio e logo em uma partida decisiva. O treinador festejou o fato de a torcida ter esgotado os ingressos para a partida, mas pediu calma à equipe que encara o Nacional, do Paraguai, nesta quarta, às 19h30, por uma vaga às oitavas de final da Copa Sul-Americana.

Os 37.500 ingressos colocados à venda para a torcida botafoguense se esgotaram nesta quarta, um dia antes da partida, como informou o clube carioca. A redução no valor cobrado pelas entradas e a importância da partida foram fundamentais para a torcida voltar a encher o Engenhão, no Rio de Janeiro.

O treinador acredita que a presença em massa da torcida aumenta a responsabilidade do time por uma vitória e, por isso, indicou aos seus comandados que tenham paciência e não deixem que a emoção se sobreponha a razão. Como perdeu por 2 a 1 o jogo de ida, no Paraguai, o Botafogo precisa de uma vitória simples para avançar no torneio intercontinental. Um novo 2 a 1, mas a favor do time carioca, leva a decisão para os pênaltis.

"Parabéns à torcida pelo entusiasmo. O atleta sempre gosta de jogar com estado cheio. Eles se sentem mais motivados com estádio lotado. Aumenta a responsabilidade, mas os pontos positivos são muito maiores. Estamos felizes de que no primeiro contato com o Nilton Santos possamos encontrar estádio cheio. Precisamos de paciência, porque o Nacional é uma equipe perigosa. Não podemos deixar que a emoção ultrapasse a razão", avaliou.

ESCALAÇÃO

O técnico não deve promover grandes mudanças na equipe, que, segundo ele, teve bom desempenho no último jogo diante do Paraná, apesar do empate em 1 a 1, na partida válida pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A ideia é manter a base e fazer uma ou outra mudança. "Queremos observar os atletas. Fiz apenas um jogo e, apesar do resultado um pouco frustrante contra o Paraná, acreditamos que a equipe esteve por mais tempo equilibrada. Uma ou outra mudança que possa vir a acontecer será mais pontual", disse.

Como o Botafogo oscilou muito no Campeonato Brasileiro, em que é o décimo colocado na tabela, com 20 pontos, a Copa Sul-Americana passou a ser a grande chance de título para o time alvinegro nesta temporada.

"Se fizermos uma matemática simples a Sul-Americana nós coloca na Libertadores de uma maneira mais rápida. O que temos que fazer para realizar os sonhos é trabalhar e isso nós fazemos muito. Estamos na competição e temos esse direito de sonhar sim senhor", falou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.