Vitor Silva/SSPress/Botafogo
Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Zé Ricardo diz contar com Cícero para jogo da volta na Copa Sul-Americana

Técnico do Botafogo aguarda reforços após vencer o defensa Y Justicia-ARG debaixo de vaias da torcida

Redação, Estadão Conteúdo

07 Fevereiro 2019 | 09h50

Mesmo vencendo o Defensa y Justicia na noite desta quarta-feira, o Botafogo deixou o gramado sem agradar a torcida. Tanto que o técnico Zé Ricardo ouviu vaias e até gritos de "burro" nas arquibancadas do Engenhão. Para o jogo da volta, o treinador já pensa em contar com Cícero, oficializado pelo clube horas antes da partida válida pela Copa Sul-Americana.

"Acredito que para a volta teremos mais tempo e o retorno de atletas importantes. Talvez o Valencia, Cícero, João Paulo. Estaremos mais fortes", projeta o treinador. A partida da volta será disputada no dia 20 deste mês, em Buenos Aires. Antes o time carioca, terá desafios no Campeonato Carioca e também na Copa do Brasil.

Cícero é uma das principais apostas da equipe carioca para a temporada. Ele chega para reforçar um setor que contou com lacunas em 2018, principalmente em razão de problemas físicos de João Paulo.

A estreia do reforço, contudo, ainda não tem data. "Vou conversar com o Cícero quando ele chegar, ver sua real condição. As informações são de que ele está bem fisicamente, vinha treinando todos os dias e está com muita vontade de estrear. Vou conversar com ele não apenas da parte física, mas também sobre seu posicionamento. Por essa versatilidade dele, foi uma contratação acertada. Ele pode jogar em várias posições", comenta o treinador.

Para o jogo da volta, o Botafogo terá a vantagem de jogar por um empate, após a vitória por 1 a 0 no Engenhão. O triunfo foi conquistado nos instantes finais do duelo, com um golaço de Erik, aos 48 minutos do segundo tempo.

Apesar do placar apertado, Zé Ricardo saiu satisfeito de campo. "Nossa estratégia era não sofrer gol em casa. É um jogo de 180 minutos. O Defensa é uma equipe muito qualificada. Mostramos essa consciência em campo. Tivemos pouco tempo para focar nesse jogo, porque a pressão da Taça Guanabara ficou grande. Não tivemos tempo para trabalhar todos os aspectos", pondera.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.