Zé Ricardo exalta merecimento de finalistas e nega favoritismo de Fla contra Flu

Técnico do Flamengo diz que rival montou time competitivo, com meio de campo talentoso

Estadao Conteudo

24 de abril de 2017 | 09h54

O Flamengo se garantiu com tranquilidade na final do Campeonato Carioca ao vencer o Botafogo por 2 a 1, neste domingo, no Maracanã, onde justificou o seu favoritismo em um clássico no qual poderia até empatar para ir à decisão, tendo em vista a melhor campanha que realizou antes das semifinais. Após o confronto, o técnico Zé Ricardo exaltou o merecimento do seu time, assim como o do Fluminense, rival dos rubro-negros na luta pelo título depois de ter eliminado o Vasco com uma vitória por 3 a 0, no sábado, quando também fez valer o desempenho superior ao dos vascaínos ao longo da competição.

E, ao projetar o Fla-Flu decisivo, o comandante também rejeitou qualquer favoritismo dos flamenguistas, embora até mesmo o técnico do time tricolor, Abel Braga, tenha atribuído esta condição ao arquirrival.

"Flamengo e Fluminense chegaram merecidamente a essa condição. A pontuação geral acabou prevalecendo. Sabemos que em clássico não tem favorito. O Abel, em pouco tempo à frente do elenco do Fluminense, conseguiu montar uma equipe extremamente competitiva. É muito bom o Fluminense jogar. É uma equipe jovem, com um meio de campo talentoso e muita velocidade no ataque. Logicamente que tanto o Flamengo quanto o Fluminense têm suas armas e tenho certeza de que serão dois grandes jogos", ressaltou Zé Ricardo, em entrevista coletiva após a vitória deste domingo.

O treinador também exaltou a boa atuação do Flamengo, que supriu com eficiência a ausência do meia Diego, que se recupera de cirurgia no joelho e se tornou um desfalque de peso nesta reta final do Carioca e na fase de grupos da Copa Libertadores, na qual a equipe volta a jogar nesta quarta-feira, contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada, em Curitiba.

"Antes de mais nada, queria parabenizar a entrega de todo nosso grupo. Fizemos uma semana de trabalho bastante efetiva e acabamos fazendo tudo aquilo que planejamos executar contra o Botafogo. Os atletas, sem vaidade nenhuma, acabaram jogando até um pouco fora de posição, como foi o caso do (Willian) Arão no segundo tempo. Nossa ideia era ter os três homens de frente com muita pressão no homem da bola, fazendo o Paolo (Guerrero) jogar desmanchando a zaga do Botafogo para podermos trabalhar com infiltração. No primeiro tempo até aconteceu esse comportamento por duas ou três vezes, mas entendemos que faltou uma aproximação no centro do campo, então a gente decidiu inverter, colocar o Arão pela direita e voltar com o Gabriel desempenhando uma função central. Acho que estivemos um pouco mais equilibrados no segundo tempo e merecemos a vitória", analisou o técnico do Flamengo.

Já ao analisar individualmente os seus jogadores, Zé Ricardo destacou principalmente, como não poderia ser diferente, a atuação de Guerrero, autor dos dois gols da vitória sobre o Botafogo neste domingo. "Dentro da área, o Guerrero é um jogador extremamente perigoso. Fora da área, sabe muito bem o que fazer. Quanto mais ele se sente à vontade dentro da plataforma de jogo, ele vai poder desempenhar bem seu futebol. É um jogador que, além de saber fazer gol, ele sabe servir bastante também. É um jogador extremamente coletivo. Ele assumiu o protagonismo que a gente espera dele, pois é um jogador de nível de seleção nacional e também reconhecido internacionalmente", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.