Zé Ricardo testa Alan Patrick na vaga de Diego, mas não confirma escalação do Fla

Rubro-negro fecha participação no Brasileirão contra o Atlético-PR

Estadão Conteúdo

07 de dezembro de 2016 | 17h39

O técnico Zé Ricardo voltou a fazer testes no Flamengo, nesta quarta-feira, em preparação para o jogo contra o Atlético-PR, em Curitiba, no domingo, pela rodada final do Brasileirão. Na atividade desta quarta, ele testou Alan Patrick na vaga de Diego, que cumprirá suspensão no fim de semana.

"Temos algumas opções. Na semana passada treinamos com Mancuello e Paquetá, hoje treinamos com o Alan Patrick. Ainda vamos definir o substituto do Diego", desconversou o treinador, que só pretende começar a esboçar a equipe titular no treino desta quinta.

Zé Ricardo também manteve indefinição sobre a defesa rubro-negra. O zagueiro Rafael Vaz é baixa certa para a partida porque ainda se recupera de uma luxação no ombro esquerdo. O treinador disse que deve escalar o experiente Juan no lugar, mas não descartou outras opções.

"Com relação à zaga, até pelo fato de atuar melhor pela esquerda e por ter jogado a maior parte da carreira por ali, temos o Juan. Mas também podemos utilizar o Donatti ou o Léo Duarte. Provavelmente será o Juan, no entanto ainda não está 100% definido", declarou Zé Ricardo.

Na vice-liderança do Brasileirão, o Flamengo busca a vitória no domingo para assegurar a segunda colocação, e a consequente premiação, superior a do terceiro colocado. "Sabemos que teremos um jogo difícil pela frente. O Atlético-PR tem uma equipe muito bem montada, por um dos treinadores mais competentes do futebol brasileiro, que é o Paulo Autuori. Com certeza precisaremos entrar na partida muito concentrados para buscarmos essa vitória."

Para o jogo no gramado sintético da Arena da Baixada, Zé Ricardo revelou como o time vem se preparando ao longo da semana. "É preciso tentar uma melhor adaptação ao gramado. Temos feito apenas a primeira parte do trabalho nesse campo, a fim de tentar acostumar os atletas o mais rápido possível. Também pedimos ao nosso pessoal de apoio para molhar constantemente o campo no qual treinamos, para que possamos ter a bola andando de forma mais rápida", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.