Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Zé Roberto diz chegar ao Palmeiras em melhor momento da carreira

Meia de 40 anos se apresenta ao clube com bastante bom humor, destaca experiência e garante estar bem fisicamente para ser titular

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

08 de janeiro de 2015 | 12h25

O meia Zé Roberto chegou ao Palmeiras e foi apresentado nesta quinta-feira cheio de empolgação e esbanjando bom humor. O jogador de 40 anos assinou contrato de um ano e, para tirar qualquer dúvida sobre sua condição física, tirou a camisa, mostrou seu porte físico e disse chegar ao clube motivado para voltar a brilhar no futebol paulista.

"Vou tirar a camisa, porque falam que o jogador depois dos 30 está no fim da carreira, né?", brincou, no momento em que vestiu a camisa do Palmeiras para posar para fotos e imagens. "Venho muito motivado por uma simples questão. Quando completei 30 anos de idade, parece que passei a viver meus melhores momentos da carreira. Não foi meu currículo, foi meu presente que me trouxe ao Palmeiras", analisou o meia, que vai vestir a camisa 11, que era de Wesley.

Para reforçar sua ideia de que vive o melhor momento na carreira, ele lembrou dos feitos realizados nos últimos anos. "Estou vivendo os melhores momentos da minha carreira, porque se eu olhar para trás, com 32 anos para 33 foi quando disputei meu último Mundial da Alemanha. Entrei na pré-seleção da Fifa. Logo após, retornei ao Brasil, joguei dez meses no Santos. Fui eleito o melhor jogador em atividade do Brasil, conquistado o Campeonato Paulista e fazendo uma grande temporada jogando a Libertadores. Depois do Santos, aos 33, tive proposta para voltar ao Bayern de Munique. Aos 35, fui para o Hamburgo e depois no Catar", lembra.

Zé Roberto voltou a ser destaque no futebol brasileiro com a camisa do Grêmio, onde atuou por dois anos e meio em alto nível e deixou de lado as críticas sobre sua questão física. A ida para o Catar parecia ser um indício de que ele estava em fim de carreira. "Quando voltei ao Grêmio, fui muito questionado pela idade. No Brasil se bate muito nessa história de idade, mas idade é só um número para mim. Joguei dois anos e meio no Grêmio. Em 2012, fui eleito o melhor jogador da minha posição e ganhei o mesmo troféu em 2014, jogando como lateral. O que posso dizer é que, com 40 anos, posso concluir que devo parar com meus 45. Para não dizer 50. Quero manter a minha trajetória no Palmeiras. A filosofia nova no clube me fez aceitar vir para cá. Posso jogar em alto nível mais uns dois anos. Essa é minha motivação", completou.

O meia foi apresentado pelo diretor executivo, Alexandre Mattos. Assim como Zé, o dirigente também fez questão de ressaltar o vigor físico do jogador e brincar com os seus 40 anos de idade. "Venho aqui apresentar um jovem atacante ou meia, um polivalente, que é lateral e volante. O jovem não é brincadeira, não. Não tenho dúvida de tudo que ele representa de profissionalismo e história. Qualquer um que falar que é amigo dele na Alemanha está bem. Quando cheguei e vi a notícia da contratação, fiquei feliz. Terei a honra grande de trabalhar com você. Não precisa falar seu currículo, porque senão vamos sair daqui umas 5 horas da tarde", afirmou o dirigente.

Uma parte do elenco treinou na manhã desta quinta-feira na Academia de Futebol e uma nova atividade está marcada para a tarde, no mesmo lugar. O elenco está em pré-temporada e estreia no Campeonato Paulista dia 1.º de fevereiro, contra o Osasco Audax.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.