Zé Roberto quer jogar, mas deve ser poupado no Santos

Vanderlei Luxemburgo ainda não confirmou, mas Zé Roberto deve ser o principal desfalque do Santos contra o Rio Claro, domingo, no Palestra Itália, em mais uma batalha para manter a liderança do Campeonato Paulista. A decisão não será do jogador e nem do técnico, mas dos médicos, que devem sugerir um período maior de descanso para que o meia esteja com 100% de suas condições para enfrentar o Corinthians, na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro.O próximo jogo de Zé Roberto será o 600.º de sua carreira profissional, e o jogador deve responder "sim" se lhe perguntarem se quer jogar domingo, apesar de cansado pelo desgaste que sofreu na partida contra o Gimnasia y Esgrima, em La Plata - quando foi o herói da vitória por 2 a 1, com um belo gol marcado aos 45 minutos do segundo tempo."Ainda vou conversar com o professor para saber das minhas possibilidades de jogar as próximas partidas", disse Zé Roberto. Desde que chegou ao Santos e passou a jogar mais adiantado, numa função que Luxemburgo "criou" para ele, o meia vem demonstrado a empolgação de um garoto em começo de carreira. "Temos de viver esse momento", disse ao sair de campo em La Plata, na noite de quinta-feira.A alegria não é por acaso. No Santos Zé Roberto deixou de ser apenas parte de uma peça de um conjunto forte, como nos oito anos de Alemanha - quatro pelo Bayer Leverkusen e outros quatro no Bayern de Munique -, atuando como segundo volante ou meia bem aberto pela esquerda, para se transformar na maior estrela de um time recém-formado.Zé Roberto tem chamado para si a responsabilidade nos momentos mais difíceis, como no jogo da Argentina, quando o empate por 1 a 1 parecia ser o resultado final. Um toque de calcanhar de craque de Pedrinho o colocou em condição de chute. Outro jogador poderia sentir a responsabilidade e perder a chance. Zé Roberto, não. Chute forte de pé esquerdo, sem possibilidade de defesa.Outra razão para Zé Roberto fazer questão de participar de todos os jogos é a sua fase de goleador, com marcas bem superiores às obtidas em campeonatos alemães e na Liga dos Campeões. O gol contra o Gimnasia foi o terceiro de Zé Roberto em seis jogos pela Libertadores, média de 0,50, muito superior ao aproveitamento n torneio europeu, também com três gols, só que 53 jogos. Em jogos na Alemanha, foram 20 gols em 223 jogos.Desde que chegou ao Santos, Zé Roberto soma sete gols em 32 jogos, sendo cinco nos 19 disputados este ano. Em toda a carreira, com 599 jogos, ele balançou as redes 45 vezes.DesfalquesKleber, que está com a seleção brasileira na Suécia, Maldonado, convocado pelo Chile, e Rodrigo Souto e Jonas, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, são ausências confirmadas para o jogo de domingo. É provável que Luxemburgo também tire Antônio Carlos da partida. Com tantos desfalques, a principal novidade será Pedrinho, que deve começar jogando no lugar de Zé Roberto.Na lateral-esquerda entra Carlinhos, enquanto Adriano deve substituir Maldonado. A delegação voltou na noite desta sexta-feira de Buenos Aires e os jogadores foram dispensados até manhã de sábado, quando Luxemburgo vai comandar um treino leve no CT Rei Pelé. O departamento jurídico encaminhou ao Tribunal de Justiça Desportiva a defesa do clube, denunciado no artigo 213, parágrafo 1º., como um dos responsáveis pelos incidentes ocorridos na Vila Belmiro, no clássico com o São Paulo, no dia 11. O advogado Mário Mello sustenta que os choques entre torcedores foi provocado por um equivoco da Polícia Militar ao colocar, no início do segundo tempo do jogo, são-paulinos no setor abaixo do que estavam os donos da casa."Vamos exibir inclusive o vídeo do monitoramento para confirmar a tese", disse Mello. Além disso, ele alegou que as confusões foram provocadas pelos torcedores do São Paulo ao rasgarem uma bandeira do Santos e arremessarem um vaso sanitário nas numeradas atrás de um dos gols.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.