Karim Jaafar/France Presse
Karim Jaafar/France Presse

Zico critica estrutura da Fifa e diz ser 'absurdo' Copa no Catar

Em entrevista a jornal francês, ele não poupa nem Platini

O Estado de S. Paulo

02 de outubro de 2015 | 17h00

Zico está encontrando dificuldade para conseguir apoio à sua candidatura à presidência da Fifa e até mesmo no Brasil as portas parecem fechadas para ele - o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, por exemplo, não manifestou apoio oficial às pretensões do Galinho. Mas na terra de Michel Platini, ainda apontado como o principal concorrente à sucessão de Joseph Blatter, o brasileiro tem suas opiniões levadas à sério.

O jornal Le Monde publicou em sua edição desta sexta-feira entrevista de página inteira com Zico, em que ele faz críticas duras à escolha do Catar para sede da Copa de 2022 e volta a atacar a estrutura atual da Fifa.

O jornal considera que o brasileiro seria uma boa alternativa para o atual momento por que passa a Fifa, e por consequência o futebol mundial. Destaca no título uma frase do brasileiro de 62 anos - "A Fifa precisa de um choque de democracia'' - e sua defesa da tese de que tanto a entidade como o próprio esporte em nível glocal precisam de uma mudança radical no modelo de gestão, que passa pela revisão do atual poderio europeu.

"A concentração de riqueza e poder na Europa é muito perigosa para o desenvolvimento do futebol mundial", diz Zico. "A necessidade de mudança é tão grande, que um candidato que não tenha vínculos com a administração atual terá mais facilidade e credibilidade para enfrentar as reformas necessárias.''

Zico também lamentou, na entrevista à publicação francesa, o fato de a cúpula da Fifa estar sob investigação - o presidente Blatter, e secretário-geral afastado Jérôme Valcke e o próprio Platini, entre vários outros dirigentes. "A Fifa está gastando o seu dinheiro para se defender. Isso é ruim, pois ela não foi criada para isso.''

 Outra crítica contundente de Zico foi à escolha do Catar para sede da Copa de 2022, processo sobre o qual pairam várias suspeitas de corrupção. "O problema é que o Catar não pensa em futebol. É impensável, absurdo, considerar que um Mundial possa ser jogado lá. O Catar não faz parte da grande cultura do futebol", afirmou.

Ele foi mais longe, pedindo até a revisão da sede. "Acho que, infelizmente, não dá mais tempo de mudar a sede da Copa de 2018, mesmo que haja irregularidades. Porém, ainda há tempo para reavaliar a sede de 2022.''

Apesar de entender que Platini não é o sucessor ideal para Blatter, Zico se mostrou disposto a colaborar com ele caso seja eleito. "E espero que ele colabore comigo caso o eleito seja eu.''

Tudo o que sabemos sobre:
CBFFifaZico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.