Zico critica oposição ao fim do passe

O ex-jogador Zico foi nesta terça-feira a principal atração de um painel montado pela comissão para debater a legislação desportiva. Zico defendeu o fim do passe dos atletas e mais garantia para o clube formador na renovação dos contratos. Ele se disse surpreendido pela maneira como muito jogadores se opuseram ao fim do passe, ao contrário do que ocorreu há 10 anos, quando uma pesquisa mostrou que a maioria da categoria queria se livrar desse mecanismo. No seu entender, somente os jogadores que fazem contrato de "come e dorme e que não produzem" é que deveriam se preocupar por não dispor de uma ligação formal com o clube."Os outros, que estiverem produzindo bem, não ficarão sem trabalho", previu. Zico criticou, após o depoimento, o fato da CBF selecionar 28 clubes para o campeonato brasileiro. No seu entender, o ideal seria que esse número não passasse de 20. O ex-jogador da seleção brasileira e ex-secretário de Esportes do governo Collor também condenou a inclusão no grupo do Fluminense e do Bahia, que na sua opinião foram chamados para atender a pressões políticas, "sem terem atuado em campo para entrar na primeira divisão".Outros convidados da comissão, os advogados Marcílio Krieger e Kfouri Aidar, criticaram a composição do Conselho Nacional de Esporte (CNE), que pelas regras incluída na medida provisória que entrou em vigor na segunda-feira, substituirá o Conselho do Desenvolvimento do Desporto Brasileiro (CDDB), que nem chegou a sair do papel. Segundo eles, o conselho será "decorativo" porque incluiu entre seus integrantes pessoas ocupadas, como os cinco secretários-executivos que não terão tempo para particpar das reuniões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.