Wilton Junior/ Estadão
Wilton Junior/ Estadão

Zico pede apoio oficial da CBF em candidatura à presidência da Fifa

Ex-jogador precisa da chancela de uma confederação

FÁBIO GRELLET E RONALD LINCOLN JR., O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2015 | 16h56

O ex-jogador Zico, de 62 anos, atual técnico do clube indiano Goa FC, encaminhou à CBF um pedido de apoio a sua candidatura à presidência da Fifa. A eleição será em fevereiro de 2016, quando o atual presidente, o suíço Joseph Blatter, finalmente deixará de comandar a entidade, nove meses após anunciar sua saída do cargo.

Para poder se candidatar, Zico precisa da chancela de uma confederação nacional de futebol filiada à Fifa e do apoio de outras cinco. Embora crítico da administração do futebol brasileiro, Zico quer a chancela da CBF, e planeja esperar a resposta por uma semana. A entidade brasileira confirmou ter recebido o pedido de Zico, mas ainda não tomou nenhuma decisão.

Dono de uma carreira brilhante nos gramados, com títulos dentro e fora do Brasil, Zico defendeu a seleção brasileira em 89 jogos, de 1976 a 1989, e marcou 66 gols - é o terceiro maior artilheiro do escrete canarinho, atrás de Ronaldo (67) e Pelé (95). Atualmente é treinador do Goa FC, da Índia. Como técnico, comandou também as seleções de Japão e Iraque. Em 2010, teve experiência como dirigente ao assumir a função de diretor executivo de futebol do Flamengo.

Longe dos gramados, Zico foi secretário nacional de Esportes do governo Fernando Collor de Melo, entre 1990 e 1991. O cargo equivalia à função de ministro do Esporte, já que o cargo e o próprio órgão só seriam criados em 1995 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso. Na época de Zico, a área de esporte estava sob a responsabilidade do Ministério da Educação.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCBFFifaZico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.