Zico reclama do calor e critica sacrifício de jogadores

O técnico do Japão, Zico, culpou o forte calor que fez neste domingo em Nuremberg pela má atuação de sua seleção, que não saiu do 0 a 0 com Croácia e ficou em situação complicada na Copa do Mundo. Segundo ele, o negócio se tornou mais importante que o futebol, o que faz com que os jogadores sejam submetidos a sacrifícios."É um crime jogar novamente nesse calor. O futebol virou um negócio e os jogadores é que são sacrificados", afirmou o brasileiro, depois da partida. Ele admitiu, no entanto, que a equipe perdeu desperdiçou muitas chances para abrir o placar. "Criamos as oportunidades, mas não conseguimos finalizar", lamentou Zico.]Para o jogo de quinta-feira contra o Brasil, em Dortmund, que decide o futuro de sua seleção no Mundial, o treinador afirmou que mantém as esperanças de classificação, apesar de precisar da vitória. "É um jogo difícil, mas no futebol tudo é possível. Vamos entrar de cabeça erguida", garantiu.Já o meia Nakata, escolhido como o melhor jogador da partida pela Fifa, admitiu a queda de rendimento da equipe na segunda etapa, mas se recusou a culpar o calor. "É bobagem discutir isso, pois o calor foi o mesmo para as duas equipes", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.