Luca Bruno| AP
Luca Bruno| AP

Zidane confia no 11º título do Real e lembra 'profecia' de Ancelotti

'Precisamos correr, correr e correr', diz francês

Estadão Conteúdo

27 de maio de 2016 | 17h41

Na entrevista coletiva que precede a grande final da Liga dos Campeões da Europa contra o rival Atlético de Madrid, neste sábado, em Milão, na Itália, o técnico do Real Madrid, o francês Zinedine Zidane, revelou nesta sexta-feira que recebeu uma "profecia" do ex-treinador da equipe, o italiano Carlo Ancelotti, de quem era auxiliar na conquista da "La Décima", o 10.º título da história do clube na competição, há dois anos.

"A pressão de jogador não tem nada a ver com a de treinador. Ancelotti já me dizia isso antes da final de Lisboa (em 2014). Ele me disse também que ‘espero que você viva essa experiência como primeiro treinador', e por isso me lembro de Carlo", declarou Zidane para os jornalistas presentes à entrevista coletiva no estádio San Siro.

Assim como em 2014, quando o Real Madrid foi campeão em cima do Atlético de Madrid na prorrogação por 4 a 1 - após empate no tempo normal por 1 a 1 -, Zidane crê em enormes dificuldades contra o time dirigido pelo técnico argentino Diego Simeone. "Será complicado. Sabemos que é um rival forte, não só na defesa. É uma equipe que tem um conjunto e sabe jogar futebol. Temos nossas armas para ir bem no ataque, mas para isso precisamos correr, correr e correr".

Sobre o atacante português Cristiano Ronaldo, que sofreu com dores na coxa esquerda durante a semana, Zidane garantiu que o craque está 100% para a decisão. "Ele tinha um pouco de incômodo, mas está 100%. Ainda mais jogando uma final. Acho que ele está bem. Amanhã (sábado) estará 100%", afirmou o francês.

Zidane pode conquistar o primeiro título da Liga dos Campeões - a 11.ª do Real Madrid - como treinador. Já faturou como jogador do clube, em 2001/02, e como auxiliar-técnico de Carlo Ancelotti, em 2013/14.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.