Oscar Del Pozo/AFP
Oscar Del Pozo/AFP

Zidane elogia Guardiola antes de duelo contra o City: 'É o melhor do mundo'

Técnico do Real Madrid prevê partida complicada pelas oitavas de final da Liga dos Campeões

Redação, Estadão Conteúdo

25 de fevereiro de 2020 | 11h02

Em uma semana decisiva para as pretensões nesta temporada, o Real Madrid encara nesta quarta-feira o Manchester City, no estádio Santiago Bernabéu, em Madri, pela rodada de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. O técnico francês Zinedine Zidane admitiu nesta terça que o seu time terá um grande adversário pela frente, que tem o espanhol Pep Guardiola no comando.

"Para mim, Guardiola é o melhor treinador do mundo. Já mostrou isso no Barcelona, depois no Bayern (de Munique) e agora no Manchester City. É a minha opinião, outros pensarão que há quem seja melhor. É um Real Madrid x Manchester City, não um Guardiola x Zidane. Estamos preparados para fazer um grande jogo", revelou Zidane em entrevista coletiva nesta terça-feira, em Madri.

"Sabemos o adversário que temos pela frente, é uma equipe muito boa. Temos de fazer um bom jogo, dar o máximo, mas pensando no que estamos fazendo de bom. Não é por termos tido um ou dois maus resultados que estamos mal", prosseguiu o francês, lembrando da derrota para o Levante, no último sábado, pelo Campeonato Espanhol, e para a eliminação nas quartas de final da Copa do Rei, em casa, para a Real Sociedad.

Zidane lamentou a contusão sofrida pelo meia belga Eden Hazard na partida em Valência. O departamento médico do clube confirmou que ele teve constatada uma lesão na perna direita e deve ficar, no mínimo, dois meses sem jogar. "Eden gosta de jogar futebol e não vai poder mais. Não está feliz. É um mau momento e vai ser assim durante um tempo. É um momento difícil para ele", comentou.

Também presente na entrevista coletiva, o zagueiro e capitão Sergio Ramos destacou a importância deste duelo em um momento mais difícil para o Real Madrid. "Para nós, a Liga dos Campeões é uma competição especial e ouvir o hino é uma motivação. Não é por acaso que temos esse histórico (13 títulos) na Champions", afirmou, acrescentando:

"Um erro contra o City pode custar um título, tal como na Liga (Campeonato Espanhol). É muita pressão. É aqui que se veem realmente os homens, os meninos têm de ficar de lado. É uma semana para falar em campo, não fora dele", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.