Zidane: Poucos gols na carreira, mas todos marcantes

Zidane pode não ser o maior de todos da história do futebol francês (para muitos, esta marca é do também meia e ex-jogador Michel Platini), mas é responsável pelo maior feito da história da seleção francesa: a conquista da Copa do Mundo de 1998, quando jogando em casa os Bleus (apelido da seleção devido à cor azul da camisa) ganharam do Brasil por 3 a 0 na final. Foi neste jogo que Zidane teve sua maior atuação em campo, com dois gols de cabeça - que, por sinal, nunca foi sua especialidade.Ao longo da carreira, Zidane marcou poucos gols. Em 710 jogos oficiais disputados até o momento, o meia fez 139 gols, sendo 93 em campeonatos nacionais (Francês, Italiano e Espanhol), 18 por campeonatos europeus (Liga dos Campeões, Copa da Uefa, etc.) e outros 28 pela seleção francesa. A emoção do primeiro gol, por sinal, demorou para sair. Ele só foi marcar em seu terceiro ano como profissional (na temporada 1990-91), pelo Cannes.Sua estréia na seleção francesa foi em 1994, no dia 17 de agosto, marcando dois gols no empate por 2 a 2 contra a República Checa. Ele entrou no segundo tempo e fez os gols em 17 minutos. Se tornou a esperança para o Mundial de 1998 e quase jogou tudo fora na Segunda partida, na vitória contra a Arábia Saudita por 4 a 0, ao ser expulso aos 26 minutos do segundo tempo. Foi suspenso por dois jogos. A redenção veio na final contra os brasileiros e a conquista do título.A ascensão na carreira continuou. Foi eleito o melhor do mundo pela Fifa em 1998, 2000 e 2003. Ganhou a Bola de Ouro da revista France Football em 1998, quando ainda estava na Juventus, da Itália. E em 2000 faturou outro importante título pela seleção da França, o que garantiu de vez a afirmação de sua geração: a Eurocopa.Já a fase ruim foi justamente logo após disso. Mesmo tendo ganho título pelo time espanhol, começou a ter algumas lesões. A mais grave (muscular) aconteceu em 27 de maio de 2002, durante um treino. Por causa disso ficou fora dos dois primeiros jogos dos franceses na Copa da Coréia do Sul e do Japão. Voltou no terceiro jogo e não conseguiu ajudar sua equipe a ganhar (perdeu por 2 a 0 para a Dinamarca) e, assim, estava eliminado.Se recuperou no ano seguinte, quando foi campeão espanhol e eleito novamente o melhor do mundo pela Fifa. Em 12 de agosto de 2004 anunciou que não jogaria mais pela seleção francesa, mas voltou atrás um ano depois, para ajudar o time a garantir a vaga no Mundial da Alemanha, que acontece agora em 2006.É considerado o gol mais bonito de sua carreira o que marcou na final da Liga dos Campeões de 2001/02, no dia 15 de maio, em Glasgow, na Escócia. O voleio perfeito que deu para chutar a bola, mesmo marcado, garantiu a vitória do Real Madrid sobre o Bayer Leverkusen e a conquista do título de campeão.

Agencia Estado,

25 de abril de 2006 | 16h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.