Reuters/Lee Smith
Reuters/Lee Smith

Zinchenko chora e diz sonhar em dar alegria à Ucrânia na repescagem para Copa do Mundo

Atleta do Manchester City é um dos líderes da seleção ucraniana, que duela com a Escócia nesta quarta em busca de vaga na decisão das Eliminatórias com País de Gales

Kieran Canning, AFP

31 de maio de 2022 | 19h03

A seleção da Ucrânia, que nesta quarta-feira enfrenta a Escócia pela repescagem das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo de 2022, quer "dar emoções incríveis aos ucranianos", declarou nesta terça o defensor do Manchester City, Oleksandr Zinchenko, sem evitar as lágrimas ao lembrar da situação de seu país.

"Todos os ucranianos desejam só uma coisa: que esta guerra acabe", disse Zinchenko em entrevista coletiva. "A seleção ucraniana também tem seu próprio sonho, de ir à Copa do Mundo. Quer dar emoções incríveis aos ucranianos, pois merecem neste momento", acrescentou o jogador.

O jogo contra a Escócia deveria ter acontecido em março, mas foi adiado após a invasão russa à Ucrânia. O vencedor da partida enfrentará o País de Gales em Cardiff no dia 5 de junho para se classificar para a Copa do Mundo do Catar.

"É impossível descrever o que sentimos. O que acontece no nosso país é inaceitável. Devemos deter esta agressão, todos juntos. A Ucrânia é um país de liberdade, nunca abandonarei", acrescentou Zinchenko, que confidenciou que planejou se unir ao exército ucraniano para defender seu país.

Ele viajou à Eslovênia para se preparar para a repescagem junto com jogadores de clubes ucranianos autorizados a deixar o país e outros atletas expatriados, como Andriy Yarmolenko (West Ham) e Roman Yaremchuk (Benfica).

"É claramente difícil motivar a equipe para um jogo quando todos os jogadores pensam em suas famílias na Ucrânia", disse o técnico da seleção ucraniana, Oleksandr Petrakov.

"Utilizamos todo tipo de método, contamos inclusive piadas para manter a moral, mas cada jogador sente como é difícil a tarefa que temos pela frente na quarta-feira. Há muito estresse, mas vamos fazer o máximo para conseguir o objetivo", acrescentou Petrakov.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.