Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Zinho não decidiu se pára de jogar

De campeão do mundo em 1994 com a seleção brasileira a campeão da segunda divisão do Campeonato Carioca, no sábado, com o Nova Iguaçu, o meia Zinho, aos 38 anos, se diz realizado no futebol. Nascido no município que dá nome ao clube, considerado uma das cidades mais violentas da Baixada Fluminense, o jogador não escondeu a alegria por se realizar pessoalmente, além de, provavelmente, ter conquistado o último título da sua vitoriosa carreira. "A cidade está em festa. Todas as ruas, torcedores de outros clubes nos apoiando. Estou muito feliz e foi uma realização pessoal", disse Zinho, que após deixar o Flamengo ao término do Campeonato Carioca deste ano foi para o Nova Iguaçu, onde é uma dos donos. Depois do 25º título da carreira, Zinho admitiu que seu desejo é o de encerrar sua carreira e atuar nos bastidores em 2006, quando o Nova Iguaçu estiver disputando a primeira divisão do Carioca. O jogador, no entanto, cogitou permanecer atuando, caso esteja disposto e em forma. Para chegar ao título, o Nova Iguaçu repetiu a fórmula de sucesso que tem sido adotada pelos clubes do interior paulista: parceria com empresas privadas, boa estrutura de treinamento, orçamento equilibrado, além de mesclar experiência com juventude. No Nova Iguaçu, Zinho ganha R$ 300,00 mensais, mas recebe uma complementação de uma empresa. A folha do clube, que tem em seu elenco 28 jogadores, é de R$ 20 mil, e o maior salário não ultrapassa 1,5 mil. "O que mais me motivou foi chegar ao clube e ver que os jogadores vinham treinar com alegria", contou Zinho, empolgado pela procura dos mais jovens para treinar no clube. "Conseguimos mobilizar a juventude.Isso é o mais importante. Antes, eles iam procurar o Flamengo. Agora, ficam aqui, na casa deles."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.