10 anos de uma final polêmica

Teorias da conspiração sobre a vitória francesa contra o Brasil na decisão de Saint-Denis são sepultadas

Eduardo Maluf, O Estadao de S.Paulo

12 de julho de 2008 | 00h00

Dez anos depois de uma das finais de Copa do Mundo mais comentadas da história, as inúmeras teorias da conspiração morreram. A decisão de 1998, no Stade de France, em Saint-Denis, subúrbio de Paris, ganhou mais fama pelas histórias jamais confirmadas - muitas bizarras - do que pela merecida vitória francesa sobre os brasileiros por 3 a 0, com apresentação de gala de Zinedine Zidane. Veja imagens da trágica finalO Brasil entregou o jogo para receber em troca a organização de um Mundial? A Nike exigiu a escalação de Ronaldo na final? A França, atuando em casa, pagou ao adversário para ficar com o título em sua casa? Foi o que se comentou em sites, em colunas de fofoca e programas de televisão na época. Até hoje, exatamente uma década depois da final, nada foi comprovado. Muito provavelmente porque nada ocorreu. A não ser o merecido triunfo dos donos da casa, que conquistaram naquele 12 de julho de 98 sua primeira Copa do Mundo.Aos 76 anos e aposentado do futebol , Mário Jorge Lobo Zagallo, técnico da seleção vice-campeã, ainda mostra indignação com os boatos sobre 98. "Tudo o que falaram foi inventado, não houve nada", afirmou, de sua casa, por telefone.O que realmente houve - tema mais do que explorado - foi a convulsão de Ronaldo pouco tempo antes do início da partida. Zagallo, aliás, diz lembrar da história como se tivesse ocorrido recentemente. E não muda uma linha do que tem afirmando nos últimos 10 anos. "O Ronaldo sofreu convulsão depois do almoço e todos nós sofremos muito, ficamos preocupados, aquilo abalou a equipe", recordou. "No vestiário, uns 15 minutos antes do jogo, o Ronaldo chegou da clínica pedindo para jogar, falando que estava bem. O Dr. Lídio (Toledo, médico da seleção) disse que os exames não apontaram nada de errado, deu o aval e então eu o escalei", prosseguiu. "O Edmundo (que estava escalado no lugar do Fenômeno) aceitou, não falou nada, mas imagino que, por dentro, tenha ficado aborrecido."O nome do Fenômeno não constava na primeira lista de escalação dada aos jornalistas - Edmundo aparecia no ataque ao lado de Bebeto. Em seguida, minutos antes de a bola começar a rolar, novo papel foi entregue, com a presença do astro, na ocasião com 21 anos.O Stade de France tinha 80 mil pessoas empurrando os Bleus. Na semifinal, em disputa emocionante, o Brasil havia derrotado a Holanda nos pênaltis após empate por 1 a 1. "A vitória sobre a Holanda é a melhor recordação que tenho daquela Copa", comentou Zagallo. Na decisão, porém, o Brasil parecia nocauteado. Dois gols de cabeça de Zidane e um de Petit garantiram o título à França. "Ganhar do Brasil não é duas vezes melhor que ganhar de outros times. É mil vezes melhor", declarou Zidane, em visita ao Brasil, há quatro meses. Os gols naquela partida o consagraram como melhor jogador da história da França ao lado de Platini e um dos craques do futebol mundial em todos os tempos.Hoje um amistoso entre a seleção francesa de 98 (com alguns outros jogadores) e uma seleção mundial, às 16 horas (de Brasília, com SporTV2), vai marcar as comemorações pelos 10 anos da conquista. A CAMPANHA BRASILEIRAPrimeira fase 10/6 - Brasil 2 x 1 Escócia 16/6 - Brasil 3 x 0 Marrocos 23/6 - Brasil 1 x 2 NoruegaOitavas-de-final 27/6 - Brasil 4 x 1 ChileQuartas-de-final 3/7 - Brasil 3 x 2 DinamarcaSemifinais 7/7 - Brasil 1 x 1 Holanda(4 a 2 nos pênaltis)Final 12/7 - França 3 x 0 Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.