10 jogos. E santistas já querem Adilson fora

Torcedores se irritam com algumas decisões polêmicas do técnico e a queda de produção do time e começam a fazer pressão

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2011 | 00h00

A derrota para o Corinthians, domingo, no Pacaembu, por 3 a 1, fez com que caísse ainda mais o índice de aprovação da torcida do Santos ao trabalho de Adilson Batista. Em 10 jogos, o saldo do treinador até é positivo, com cinco vitórias e apenas uma derrota. Mas perder para o arquirrival Corinthians, com um dos quatro empates sendo frente ao fraco Deportivo Táchira, na estreia da Copa Libertadores (0 a 0), fizeram o torcedor perder a paciência e pedir sua demissão.

A principal crítica contra Adilson é que já no jogo da Venezuela ele deixou os artilheiros Maikon Leite (seis gols em oito jogos) e Zé Eduardo (quatro gols e cinco jogos) fora do time para escalar Diogo ao lado de Neymar, dupla que não tinha feito nenhum coletivo. O garoto foi mal em razão do cansaço e o ex-atacante da Portuguesa, Olimpiakos e Flamengo ficou perdido em campo.

"Adilson é fraco demais e escala mal o time", criticou Carlos Eduardo Fernandes, vice-presidente da Escola de Samba Sangue Jovem. Carlinhos, como é conhecido, não ficou apenas nas palavras. Logo que o clássico de domingo terminou, ele mandou fazer uma faixa pedindo a saída de Adilson. A encomenda custaria R$ 50 para ser entregue ontem cedo, mas Carlinhos pagou mais R$ 25 para recebê-la na noite de domingo. "Abri a faixa às 20h."

"Muito faz quem não estorva. Fora Adilson", está escrito na faixa exposta na padaria Santista, propriedade de Carlinhos e reduto de torcedores, dirigentes, conselheiros e ex-jogadores. São santistas de todas as tendências. "A faixa não representa apenas o meu pensamento. Depois do jogo, o telefone não parou de tocar. Eram torcedores irritados com o que está acontecendo. Então resolvemos usar essa forma de protesto para mostrar o nosso descontentamento."

Ao contrário das dificuldades que enfrentou no Corinthians, com as contusões dos principais titulares, no Santos Adilson Batista tem excesso de jogadores para algumas posições. A insistência com a escalação de Robson no meio e em deixar Zé Eduardo e Maikon Leite no banco são as razões das queixas do torcedor. Após a derrota de domingo, o diretor de futebol Pedro Luís Nunes Conceição garantiu que não há recomendação para evitar que Maikon Leite (acertado com o Palmeiras para o segundo semestre) e Zé Eduardo (já é jogador do Genoa, da Itália) sejam "poupados".

"Os dois têm contrato com o Santos e não há nada que impeça o aproveitamento de ambos. É a mesma situação do Robinho em 2010. No meio do ano ele teria de voltar para a Inglaterra, mas foi fundamental para que o Santos conquistasse o Paulista e a Copa do Brasil", explicou o dirigente.

Os jogadores se reapresentam nesta terça-feira às 9 horas, no Centro de Treinamento Rei Pelé. Como Adilson anunciou que vai poupar alguns titulares diante do São Bernardo, sábado, na Vila Belmiro, Neymar deve receber descanso até o fim de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.