11 contra 1 e o ataque não marca

Nem diante de rival imaginário na linha, setor ofensivo do Corinthians fez gol. Ou errou o alvo ou parou no goleiro

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2007 | 00h00

Os jogadores do Corinthians foram reprovados no primeiro teste do intensivão do ataque. Para dar moral ao time - com Fábio Braz na vaga de Betão -, o técnico Nelsinho Baptista optou por "treino fantasma", com titulares jogando contra ninguém. Lembrando o que Tite fazia no Palmeiras, a bola saía na defesa, passava de pé em pé até chegar ao gol adversário. O detalhe: não havia marcadores do outro lado, só o goleiro Felipe. O trabalho serviria para reanimar um elenco cabisbaixo com a enorme ameaça de rebaixamento no Brasileiro e acabou sendo ainda mais vexatório. Na hora da conclusão, os corintianos conseguiam errar o alvo. Chutavam por cima, para fora, na mão do goleiro..."Gente, qualidade e tranqüilidade!", pedia, a todo momento, o técnico, pasmo com o que presenciava. Finazzi, após mandar a bola no alambrado, fez dois gols seguidos e saiu comemorando. Desde sua chegada ao clube, nunca anotou mais de uma vez nos jogos. Ontem fez festa, mas contra rival imaginário.Nelsinho, insatisfeito, resolveu prorrogar os trabalhos. E, dessa vez, correndo lado a lado com seus jogadores de frente. "Não pode ter pressa para fazer gol. É decisão e qualidade", repetia, à exaustão. "É difícil chegar na frente e, quando chega, tem de decidir certo. Mas fizemos vários gols também, vejo o lado bom", conformou-se.Depois, ainda optou por rápido coletivo. A história se repetiu... nada de gols. Por fim, comandou treino de posicionamento, primeiro defensivo, depois ofensivo. Gols, só de Wilson, para a equipe reserva. "Vocês não sabem quanto está doendo meu joelho", disse Nelsinho, na entrevista, para justificar o trabalho. "Conversamos e passamos na prática o que tem de ser feito. Tem de matar a cobra e mostrar o pau", apelou, resignado, para o batido jargão.Sem convencer, procurou amenizar o show de horrores do segundo pior ataque do Brasileiro - 33 gols em 32 rodadas (só perde do lanterna América-RN, que fez 23)."O objetivo desse treinamento é mostrar os caminhos para chegar à frente. Mostramos que o jogador tem de estar bem postado no chão. E que não pode querer decidir, se não estiver com boa postura." Se for assim diante do Figueirense...PAGANDO DÍVIDAO presidente Andrés Sanchez prometeu que, nesta terça-feira, será quitada dívida com o Lyon a respeito do empréstimo de Nilmar ( 6,5 milhões). A pendenga se arrasta há quase dois anos e o clube francês teve de recorrer à Fifa para obter o pagamento. A quitação do débito forçará o clube a mexer numa parte do dinheiro da venda de Willian, negociado com o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por US$ 19 milhões e que serviria para o planejamento de 2008. O dirigente disse também estar perto de acerto com o ex-técnico Daniel Passarella.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.