4 x 100 m busca decisão para esquecer doping

O Brasil não tem experimentado bons resultados nas provas individuais de velocidade, mas nunca deixou de ter uma equipe competitiva no revezamento 4 x 100 masculino. A prova, contudo, foi a mais prejudicada pelo escândalo de doping divulgado no início do mês pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e pode tirar do Brasil a chance de brigar por sua 7.ª final - o País foi prata em 2003 e bronze em 1999. A semifinal da disputa será às 14h30 (de Brasília)O time nacional, 4.º na Olimpíada de Pequim/2008, perdeu o técnico Jayme Netto, que confessou ter sido conivente com a aplicação do hormônio eritropoietina (EPO) em cinco atletas, e também dois velocistas (Bruno Lins e Jorge Célio Sena). Os três já estavam em aclimatação, nos arredores de Berlim, e voltaram imediatamente ao País.Katsuhico Nakaya, técnico do revezamento feminino, assumiu a direção da equipe dos homens. Definiu que Vicente Lenílson, o atleta mais esperiente do time, abrirá o revezamento. O bastão será entregue a Sandro Viana - o velocista amazonense iria se dedicar apenas aos 200 m, mas após o escândalo, foi integrado à equipe. O terceiro homem será Basílio de Moraes. José Carlos Moreira fecha a prova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.