Paulo Whitaker|Reuters
Paulo Whitaker|Reuters

'A concorrência me ajudou a dar a arrancada final', conta etíope

Leul Aleme ganhou a São Silvestre com sete segundo de vantagem sobre seu compatriota Dawit Admasu

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2016 | 11h28

Apenas sete segundos de diferença separaram o ganhador da São Silvestre masculina deste sábado, o etíope Leul Gebresilase Aleme, do terceiro colocado da prova. A ordem de chegada nessa curta distância acabou definida pela arrancada nos metros finais, que, segundo o ganhador, só foi possível graças aos adversários. Não fosse a dura concorrência, ele conta que teria esmorecido no fim.

Aleme fez o tempo de 44min53s, seguido pelo compatriota Dawit Admasu, que chegou dois segundos depois, e pelo terceiro colocado, o queniano Stephen Kosgei. "A corrida foi muito difícil. Nos últimos 300 metros eu consegui dar uma arrancada. Foi difícil competir. Como tinha adversários difíceis, isso me fez continuar focado. A concorrência me ajudar a dar esse sprint", contou.

O ganhador agradeceu o apoio da torcida. "O público que acompanhou a prova foi muito caloroso e receptivo durante todo o trajeto", afirmou. O sonho dele é repetir os bons resultados para ter um alto desempenho em 2017, no Mundial de Atletismo, que será disputado em Londres.

O etíope tinha sido vice-campeão na São Silvestre do ano passado e contou que sofreu para manter o ritmo no calor de 30ºC da manhã deste sábado. A temperatura trouxe problemas para o segundo colocado. "Foi muito difícil correr. Estava quente demais. Foi a corrida mais difícil minha aqui em São Paulo. Foi a terceira participação", contou Admasu. O atleta teve queda de pressão no pódio e precisou de ajuda para se recuperar.

Tudo o que sabemos sobre:
São SilvestreAtletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.