A maldição dos Cubs

Na temporada que começa hoje, equipe de Chicago completa um século de jejum de títulos

Leonardo Maia, O Estadao de S.Paulo

29 Março 2008 | 00h00

Pergunte a qualquer torcedor corintiano que acompanhava futebol em 1977 qual foi a sensação ao assistir à vitória do Corinthians sobre a Ponte Preta por 1 a 0, no Morumbi, que pôs fim a jejum de mais de 22 anos sem o título paulista. Indescritível. Qualquer botafoguense de coração poderá descrever a emoção do gol de Maurício na final contra o Flamengo, em 1989, encerrando jejum de 21 anos.Imagine-se, então, fã de um clube que não vence um campeonato há cem anos. Um século de sofrimento e desilusões. Pois essa é a realidade dos Chicago Cubs, time da liga profissional de beisebol dos Estados Unidos (MLB), que neste ano completa o indesejável aniversário centenário de seu último troféu da World Series (a final do campeonato nacional).A temporada do beisebol americano começa oficialmente hoje, às 21horas (horário de Brasília), com a partida entre Atlanta Braves e Washington Nationals, transmitida ao vivo para o Brasil pela ESPN.E uma das principais histórias será a caminhada dos Cubs na tentativa de acabar com cem anos de misérias. "Tenho pensado nisso", admite Lou Piniella, técnico dos Cubs. "Minha preocupação é passar ao elenco que não podemos nos colocar o peso de 99 anos de fracassos. Não podemos refazer o passado."Ainda assim, é difícil para os jogadores ficarem alheios à tarefa diante de si. "Todo jogador quer ser campeão. Mas aqui seria muito mais importante", diz Ryan Theriot, interbases. "Lá no fundo, a gente fica pensando em fazer parte do time que conseguiu o título. Cem anos... uma história e tanto", suspira.O mais incrível é que, em nesses anos, a torcida do time só fez crescer e se espalhar por todos os Estado Unidos. Apenas o Boston Red Sox e o New York Yankees têm mais fanáticos.Não por acaso, os Cubs (filhotes, traduzido do inglês) são conhecidos como os lovable losers, ou adoráveis perdedores."Os Cubs são muito queridos. Têm muita tradição. Acho que esse tempo todo só faz aumentar a mística", opina Paulo Antunes, comentarista de beisebol da ESPN, que morou nos Estados Unidos por 17 anos. "Os torcedores ficam naquele desespero. Cada vitória é um evento."Paulo tem conhecimento de causa. Torcedor dos Red Sox, sofreu muito tempo até ver, dm 2004, o time interromper seca de 86 anos. Naquela temporada, um filme foi rodado em jogos de verdade do time, como parte de enredo de comédia romântica sobre fanático torcedor que não conseguia conciliar a paixão pelos Red Sox com o amor pela namorada. A idéia era contar mais um fracasso do time e do rapaz. Com a surpreendente vitória, o fim do roteiro precisou ser mudado. Um final feliz que nem o cinema ousou prever.OSCAROs supersticiosos torcedores dos Cubs têm mais uma esperança. Um documentário será rodado ao longo do ano sobre a campanha do time. Sob o título We believe (Nós acreditamos). "Se ganharmos o título, vão ter acertado na loteria", diz o primeira base Derrek Lee. "Se vencermos a World Series, o filme vai ganhar o Oscar", brinca o segunda base Mark DeRosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.