A passeio, Palmeiras leva de 3 em Goiânia

Time reserva não resiste ao futebol superior do Atlético-GO, que repete o resultado do primeiro turno e vence por 3 a 0

Marcon Beraldo, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2010 | 00h00

Esforço não faltou. Mas o time reserva do Palmeiras não teve como resistir ao futebol superior do Atlético-GO, que repetiu o resultado do primeiro turno e ganhou por 3 a 0, ontem à tarde no Serra Dourada, em Goiânia. O time alviverde continua com 50 pontos, enquanto a equipe goiana passou a somar 40, agora em 13.º lugar, mais distante da zona de rebaixamento.

Mais uma vez o técnico Luiz Felipe Scolari optou por poupar os titulares, visando ao jogo de quarta-feira, também em Goiânia, contra o Goiás, pela fase semifinal da Copa Sul-Americana. No início, até que os palmeirenses conseguiram equilibrar o jogo, já que o adversário, pressionado pela situação complicada na tabela, mostrava nervosismo e, contrariando a expectativa, apresentava um futebol cauteloso, de muita marcação no meio de campo e pouca criatividade.

Mas, em um lance de bola parada, aos 30 minutos, o Atlético abriu a contagem com o zagueiro Gilson, de cabeça, e passou a ditar o ritmo de jogo. No intervalo, o técnico do time de Goiás, Renê Simões, avisou o que pediria no vestiário aos jogadores. "Precisamos fazer maior volume de jogo. Só não podemos mais voltar para defender o resultado, como em jogos anteriores, em que perdemos pontos importantes no final."

Dito e feito. O Atlético voltou para a etapa final com mais determinação e chegou ao segundo gol com um chute de bico de Robston. Além de crescer na partida, o Atlético foi beneficiado pela expulsão do zagueiro Danilo, que levou o segundo cartão amarelo aos 16 minutos. A partir daí, só deu Atlético.

O time da casa aproveitou o desequilíbrio do Palmeiras e chegou ao terceiro gol, em uma bonita jogada de Marcão pela direita para a conclusão de primeira de Robston. A partir daí a torcida atleticana passou a cantar mais alto e a gritar olé.

O Palmeiras só foi acordar do torpor aos 25 minutos, quando Dinei acertou um forte chute cruzado rente à trave. Mas os jogadores palmeirenses, apesar da derrota, deixaram o campo certos de que cumpriram a obrigação. "Hoje (ontem) era jogo do Campeonato Brasileiro, no qual não vamos a lugar nenhum. Quarta-feira, temos que pensar que é o jogo do ano"", disse o lateral-direito Vítor. "Temos que fazer uma boa partida para ter vantagem no jogo de volta.""

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.