Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

'A seleção seria mais uma grande realização', revela Conca

Craque do Fluminense e do Campeonato Brasileiro espera por uma chance no futebol argentino

Bruno Lousada, Leonardo Maia / RIO, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2010 | 00h00

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai anunciar no dia 6 de dezembro o craque do Campeonato Brasileiro. Até na entidade não há dúvida: o meia Conca é o melhor jogador da competição.

Seus números falam por si e a qualidade do seu futebol é inversamente proporcional ao seu tamanho (tem 1,67m de altura) e a sua timidez. O argentino baixinho é o líder em assistência - deu 18 passes que resultaram em bola na rede -, autor de gols decisivos, enfim, a alma de um time a dois jogos de conquistar o título nacional depois de 26 anos.

O técnico do Fluminense, Muricy Ramalho, já disse que o custo-benefício de Conca é "enorme". Afinal, o apoiador é o único jogador de linha a disputar os 36 jogos do Brasileiro e, embora a equipe tricolor tenha os atacantes Fred, Washington e Emerson em seu elenco, o argentino é o artilheiro do time no torneio, com 9 gols - Washington fez 10, porém dois pelo São Paulo.

"Sonho ainda em ter uma oportunidade na seleção de meu país. Estou trabalhando para isso e seria mais uma grande realização na carreira", disse por e-mail ao Estado.

Como você avalia o sucesso dos argentinos (Conca, Montillo, do Cruzeiro, e D''Alessandro, do Inter) no futebol brasileiro?

É uma alegria ver jogadores do meu país conseguindo jogar bem no Brasil e serem reconhecidos. Acredito que isso vá levar ainda mais clubes a procurar jogadores no futebol argentino.

Já pensou em se naturalizar e defender a seleção brasileira?

Na verdade sonho ainda em ter uma oportunidade na seleção de meu país. Estou trabalhando para isso e seria mais uma grande realização na carreira.

Por que você nunca teve chance na seleção argentina, mesmo depois de boas temporadas no Brasil? O futebol brasileiro não tem credibilidade no seu país?

Não penso assim. Saí muito novo da Argentina, praticamente desconhecido. Naturalmente ficou mais difícil conseguir uma vaga na seleção, mas pode ser que o momento esteja chegando. O futebol brasileiro é muito admirado na Argentina, assim como os brasileiros respeitam e gostam da nossa maneira de jogar.

Provavelmente, você vai ser eleito o melhor jogador do Brasileirão. O que significa isso para a sua carreira?

Seria o reconhecimento de um trabalho, de uma carreira dedicada. Estou muito feliz por tudo o que tem acontecido e espero que no final a alegria seja ainda maior com o título do Fluminense.

Você pensa em jogar na Europa ainda?

Não gosto de ficar pensando nessas coisas, ainda mais numa reta final. Meu foco está tão direcionado para o título do Campeonato Brasileiro que fica difícil de falar sobre renovação, futuro...

Seu contrato termina no fim do ano que vem, mas você tem demonstrado ansiedade em estender seu vínculo com o Fluminense o mais cedo possível. Por quê?

Como disse antes, o momento é de falar sobre a reta final do campeonato. Após tudo isso acabar, ficarei mais à vontade para conversar sobre assuntos extra-campo.

Num futebol pautado pela forte marcação e pelo excesso de faltas, qual o segredo para um jogador talentoso sobressair?

A movimentação durante os 90 minutos é essencial. Para isso, é preciso estar muito bem fisicamente e felizmente não fiquei de fora de nenhuma partida deste Brasileiro. Mas não são todos os jogos em que consigo atuar da maneira que desejo. Quando acontece isso precisamos aproveitar algum descuido do adversário para fazer uma jogada decisiva.

O Palmeiras deve entrar em campo com time reserva, pois já não tem mais interesse pela competição. Isso não vai facilitar a vida do Fluminense?

Falaram muito sobre o São Paulo e só conseguimos uma boa vantagem na partida quase no final do jogo (o jogo estava empatado por 1 a 1 até os 29 minutos do segundo tempo). Qualquer jogador que entra em campo quer vencer e o Palmeiras é uma grande equipe do futebol brasileiro. Sabemos que vamos encontrar dificuldades nestes dois jogos, ninguém no Fluminense espera facilidade para ganhar o título.

Você acha que a arbitragem teve alguma influência na classificação dos clubes ao longo do Brasileirão?

Todos os clubes têm algo para reclamar durante a competição. O Fluminense também foi prejudicado em algumas rodadas, mas não acredito que a arbitragem tenha alguma influência na classificação da competição.

Você tem noção do quanto será idolatrado no clube caso o Flu se sagre campeão brasileiro depois de 26 anos de jejum?

O carinho da torcida do Fluminense comigo e com todo o time é enorme. Ela tem nos apoiado desde a reta final do ano passado, quando lutamos contra o rebaixamento. Tudo o que fazemos em campo temos de dedicar para a nossa torcida.

O atacante Fred e o apoiador Deco ganham salários maiores que o seu e entram em campo menos vezes que você. Acha que é preciso ter equiparação salarial com eles?

O foco está na reta final do campeonato. Sobre salários e renovação ficarei mais tranquilo para falar após o Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.