AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

‘A solução a curto prazo é fazer uma limpeza geral’

Alexandre Coelho, professor de Marketing Esportivo do Mackenzie Rio, fala sobre a imagem do esporte olímpico no Brasil

O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2017 | 17h02

A prisão de Carlos Arthur Nuzman e a suspensão na última sexta-feira do Comitê Olímpico do Brasil pelo Comitê Olímpico Internacional mancham o esporte olímpico brasileiro. Esses fatos podem afetar diretamente o desenvolvimento de jovens atletas e o surgimento de novos talentos olímpicos no País.

Para se ter uma ideia, competidores de alto rendimento levam, em média, de 10 a 15 anos para serem formados no esporte. Diante desse cenário, eles vão ficar cada vez mais raros de existir, ou seja, ficará difícil aparecer novos Gugas e Zanettis.

O momento que vivemos é o pior do esporte olímpico do País na história e a gente corre sério risco de perder todo o legado olímpico. Não adianta ter investido tanto no último ciclo olímpico para acabar desta maneira. Tudo que foi feito de bom virou pó e a perspectiva é a pior possível agora.

Neste ano, a verba para o esporte foi cortada em 87% (R$ 11,25 milhões), muitas empresas pularam fora, o COB não consegue captar patrocínio, os atletas recebem cada vez menos e, assim, eles têm menos incentivo e estrutura para treinar.

A solução a curto prazo é fazer uma limpeza geral e criar uma nova realidade, isto é, colocar pessoas capacitadas e sérias para elaborar um planejamento estratégico e dar início a um trabalho de transparência a fim de buscar novos parceiros para a entidade.

Se houver transparência e um trabalho de qualidade, o mercado publicitário abraça a ideia e as empresas voltam a querer associar suas marcas ao esporte brasileiro. Deve haver união e mobilização para mudar, afinal, o esporte, de alto rendimento ou não, é fundamental para o funcionamento de qualquer sociedade.

O Brasil tem boas pessoas para trabalhar. Elas precisam se juntar e aparecer. Vimos o sucesso que foi a última Olimpíada aqui no Rio de Janeiro em termos esportivos. O esporte educa, muda e transforma, e é nisso que todos deveriam apostar.

Mais conteúdo sobre:
Mackenzie Carlos Nuzman

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.