A um salto do feito inédito

Atletismo - Se alcançar pódio, Maurren Maggi será a primeira brasileira a exibir no peito uma medalha individual

Wilson Baldini Jr., enviado especial, Pequim, O Estadao de S.Paulo

22 de agosto de 2008 | 00h00

Depois de Fabiana Murer, que sofreu com o sumiço de uma de suas varas, e do fracasso de Jadel Gregório no salto triplo, o atletismo brasileiro agora aposta todas as suas fichas no desempenho de Maurren Maggi, hoje, a partir das 19h20 (8h20 no horário de Brasília) no salto em distância para tentar conquistar uma medalha nos Jogos de Pequim. A atleta, de 32 anos, sabe que esta é sua última participação olímpica. "Se alcançar os sete metros, garanto medalha", afirmou. A melhor marca de MaurrenMaggi neste ano foi 6,99 metros, o terceiro melhor salto na modalidade em 2008, atrás da portuguesa Naide Gomes (7,12 metros) e da russa Lyudmila Kolchanova (7,04 metros). As duas rivais da brasileira não estarão na final. MAIS DE 7 METROSMaurren já registrou 7,26 metros em sua carreira. Apenas as russas Tatyana Lebedeva e Oksana Udmurtova também ultrapassaram os sete metros e vão tentar medalha. Elas registraram 7,33 metros e 7,02 metros, respectivamente. "A Maurren está mais madura, segura. Com certeza, ela vive o melhor momento de sua carreira", disse o técnico Nélio Moura."Eu concordo, mas só consegui cumprir metade do meu objetivo", afirmou a atleta, depois de ficar apenas com a segunda marca, ao atingir 6,79 metros na classificação. A brasileira só ficou atrás da atleta norte-americana Brittney Reese (6,87 metros).Além da Maurren, outra brasileira que está entre as 12 finalistas é Keila Costa. "Estou muito feliz. É um sonho conseguir estar na final", disse a atleta, que festejou muito, ainda na pista, sua classificação para a final. Ela saltou 6,62 metros e ficou com o oitavo lugar. "Dá para melhorar ainda mais", disse, confiante. Keila, de 25 anos, tem como sua melhor marca do ano 6,79 metros. Na carreira, já chegou a atingir 6,88 metros.INÉDITOUma medalha de ouro é o que o atletismo busca desde a Olimpíada de Los Angeles, em 1984. Naquela ocasião, o atleta Joaquim Cruz ganhou o primeiro lugar nos 800 metros. Além disso, um objetivo mais simples para o País, seria Maurren simplesmente subir ao pódio, o que a tornaria a primeira brasileira a conquistar uma medalha individual. O atletismo soma 13 medalhas olímpicas para o Brasil, contra 16 da vela e 15 do judô.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.