Divulgação
Divulgação

'A única coisa à minha frente agora é Renan Braão', garante McDonald

Adversário do brasileiro na disputa pelo cinturão dos galos no UFC minimiza experiência do adversário

Bruna Toni - Enviada Especial, O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2013 | 12h11

LONDRES - Michael McDonald, o adversário de Renan Barão no UFC Londres, na noite deste sábado, é muito diferente da maioria dos jovens da sua idade.

 

Com um estilo peculiar, de quem está constantemente observando tudo ao redor, a tranquilidade e concentração do norte-americano de 22 anos geram até certo desconforto em quem espera ver um lutador com os nervos a flor da pele.

 

"Eu gosto de ver o que os outros atletas fazem certo, o que elas fazem errado, para sempre tentar ser melhor", conta McDonald, que chamou a atenção do público que acompanhava os treinos livres para o UFC Londres ao ficar parado em frente à TV durante um longo tempo, assistindo ao vídeo que mostrava cenas da vitória de Barão sobre Urijah Faber, quando o potiguar conquistou o cinturão interino.

 

Profissional desde 2007, o norte-americano da Califórnia começou a praticar kickboxing com 10 anos de idade. De lá para cá, foram 15 vitórias no MMA, a maioria por nocaute, e apenas 1 derrota na carreira.

 

Mesmo com o respeitável cartel, McDonald ainda tem muito chão a percorrer no que diz respeito ao número de vezes que encarou um desafio no octógono quando comparado a Renan Barão. Três anos mais velho, o brasileiro entra hoje na Arena Wembley com uma sequência de 29 vitórias consecutivas.

 

Sem se impressionar, porém, McDonald minimiza a experiência do oponente, "Eu acho que a idade não importa. Pra mim o importante é a minha cabeça. Eu controlo minhas emoções, cuido da minha mente, e meu corpo está bem o suficiente para não cair", garante o lutador.

 

Manter os pés no chão e afastar qualquer pressão pré-luta também faz parte da personalidade deste jovem lutador. Por isso, ele faz questão de dizer que seu foco neste sábado não é o título - se vencer, McDonald vai se tornar o mais novo dono de cinturão do UFC. "Não vou encarar essa luta como diferente em relação às outras. É apenas mais um dia. Talvez eu pense sobre isso depois e seja feliz, mas a tarefa que tenho é essa", diz.

 

Essa também é a postura do norte-americano diante da possibilidade de enfrentar Dominick Cruz no futuro: "Eu não ligo para quem será meu adversário. Poderia ser qualquer um, por qualquer motivo. Se for ele ou não, o que está na minha frente agora é Renan Barão".

 

Confiante, Michael McDonald mostra a mão direita recuperada após uma lesão que o afastou do octógono durante boa parte do ano passado. "Me sinto muito bem. Estou treinando há muito tempo, cuidando da minha saúde, depois que me recuperei da cirurgia. Acho que que esta é a primeira vez que consegui me preparar bem, usando as mãos, de maneira a me sentir confortável", revela, com tom sereno e sorridente, de quem pode reservar muitas surpresas para a noite deste sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.