Luca Bruno/AP
Luca Bruno/AP

A velha dupla se reencontra

Cristiane volta a ser titular após ser a estrela do jogo de estreia do Brasil em Londres

O Estado de S. Paulo

27 de julho de 2012 | 22h08

LONDRES - O Brasil tenta mostrar hoje, no jogo contra a Nova Zelândia (10h30, horário de Brasília), que a vitória por 5 a 0 sobre Camarões na estreia não foi obra do acaso e sim reflexo da boa preparação feita e da qualidade da equipe.

A novidade deve ser a entrada de Cristiane no ataque. Na primeira partida ela começou no banco por ter passado um mês em tratamento de uma lesão muscular, mas quando entrou deixou claro que tem vaga fácil no time. Ela jogou 45 minutos e foi o destaque da equipe. Fez um golaço (que a transformou na maior artilheira das Olimpíadas, com 11), participou dos outros dois e cansou de driblar suas marcadoras.

Para ela entrar, deve sair Thaisinha - que a substituiu nos treinos e jogos durante o período em que esteve fora de combate.

O técnico Jorge Barcellos alertou as meninas sobre o perigo das bolas aéreas do time da Nova Zelândia. Ele viu o teipe do jogo em que o time da Oceania perdeu para a Grã-Bretanha por 1 a 0 na primeira rodada e ficou surpreso com o toque rápido de bola das adversárias de hoje e da variedade de jogadas ensaiadas em faltas e escanteios.

Por isso, no treino de ontem exigiu atenção especial à marcação nas bolas paradas e também ao posicionamento para evitar contragolpes.

Olho nas donas da casa - Barcellos reiterou que o time apenas subiu um degrau ao golear Camarões e enfatizou que é preciso manter os pés no chão. “A competição está só no início, ganhar bem na estreia dá confiança, mas é preciso ir passo a passo."

Embora tenha ressaltado que Nova Zelândia o preocupa bastante, Barcellos não consegue esconder a ansiedade pelo jogo de terça-feira, contra a Grã-Bretanha que deve definir o primeiro lugar do grupo.

Reservadamente, já conversou com seus colegas de comissão técnica sobre a importância de superar as anfitriãs dos Jogos para dar moral ao grupo e também para garantir o primeiro lugar, o que pode tornar mais fácil o caminho para a final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.