Aceleradas

Se estivesse vivo, Ayrton Senna completaria, ontem, 48 anos. Nasceu dia 21 de março de 1960, em São Paulo, e morreu dia 1.º de maio de 1994, no GP de San Marino, em Ímola, Itália. Bruno Senna, seu sobrinho, disputa no Autódromo de Sepang a GP2 Ásia e comentou a data, com uma brincadeira respeitosa: "48 anos? Não ia largar na pole, estaria velho para a meninada." Já a irmã de Bruno, Bianca, destacou: "O que sinto num dia como hoje é saudade, muita saudade do Beco." Christian Horner, diretor-esportivo da Red Bull, recebeu convocação pouco comum do delegado de segurança da F-1, Charlie Whiting. O dirigente exigiu explicações sobre a segurança dos carros da equipe, RB04. Na Austrália, quebrou o disco traseiro direito do Red Bull de Mark Webber na classificação, o que o levou a afirmar: "Ainda bem que não construímos aviões." Na corrida, o RB04 de David Coulthard se desintegrou ao colidir, de lado, com a Ferrari de Felipe Massa e ontem, no treino livre, saiu da pista, passou sobre a zebra e, de novo, deixou pedaços para todo lado. Páscoa na Malásia. Não fossem algumas conversas no paddock, em especial entre os italianos, não se saberia que se celebra em boa parte do mundo a importante data religiosa. A Malásia é uma nação predominantemente muçulmana, não radical, e a Páscoa não lhes tem significado. No box da Ferrari não foi servida refeição com carne vermelha, como manda a tradição da Sexta-Feira Santa. Repercutiu muito no paddock o prolongamento do contrato do GP do Brasil com a Prefeitura de São Paulo até 2015. Ao contrário do que se pode pensar, a maioria gosta de se deslocar até São Paulo, em especial por causa das churrascarias, amadas pelos integrantes da F-1. A principal queixa é a falta de uma área de paddock, atrás dos boxes. Não precisa ser como na Malásia, funcional e elegante, mas que ao menos atendam às necessidades operacionais. Quem apenas assistirá à corrida, na próxima madrugada, não tem idéia da preparação a que se submeteram os pilotos para suportar os cerca de 40 graus durante a prova sem perder desempenho: "Começou há algumas semanas, com o aumento da carga de atividade física", explica Raniero Giannotti, preparador dos pilotos da Toro Rosso. "Passaram a receber, também, nos últimos dias, dieta rica em frutas e sais minerais, bem como vitaminas. E durante a competição ingerem um litro de uma solução rica em sais, a fim de combater a importante desidratação." Os pilotos perdem cerca de 3 quilos na corrida. Felipe Massa ainda mantinha em si as sensações do desgaste da estréia da Ferrari no campeonato, na Austrália. Depois de realizar na Malásia excelente treino, sexta-feira, comentou: "Parecia que aquilo em Melbourne era um sonho, não estava acontecendo, mas infelizmente era realidade." A recusa de Lewis Hamilton de se tornar membro da Grand Prix Drivers Association (GPDA) vem merecendo críticas pesadas de todos os lados, até de seu maior vetor de divulgação, Jackie Stewart, campeão em 1969, 1971 e 1973. Mas surpreendentemente Hamilton ganhou um apoio importante e nunca esperado: Fernando Alonso, desafeto confesso. "Lewis tem de primeiro pensar em ser campeão e depois pensar na GPDA", afirmou o espanhol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.