Aceleradas

Tão logo soube que Ron Dennis, da McLaren, deu entrevistas afirmando que o problema com os promotores da F-1 era o dinheiro que eles deviam a algumas equipes, Bernie Ecclestone respondeu de Londres, já que não irá à etapa de abertura do Mundial: "Não devemos nada a ninguém." Flavio Briatore, da Renault, que foi com Ron Dennis cobrar Ecclestone, respondeu, ontem: "Não nos deve nada? Tá bom, então eu e Ron somos loucos de ir lá, no seu escritório, cobrá-lo."Ross Brawn, sócio na Brawn GP, deixou o circuito Albert Park logo depois dos treinos livres, feliz com o 2.º tempo de Rubens Barrichello. Mas ficou mais contente ainda no aeroporto de Melbourne, quando foi receber Richard Branson e ouviu dele que o negócio estava fechado. A Grupo Virgin, de sua propriedade, vai patrocinar a Brawn. Investimento estimado este ano: US$ 15 milhões.O projetista da Red Bull, Adrian Newey, é considerado um talento da engenharia. Mas também um extremista nas suas soluções aerodinâmicas. No modelo RB05, por exemplo, o assoalho do carro se aproxima tanto das rodas traseiras que não é possível envolver os pneus com os cobertores elétricos. Eles apenas são acomodados por cima dos pneus e seu aquecimento não é o ideal.O box da Brawn é o último no circuito Albert Park. E suas instalações são as menores entre todos os times. Mas a procura da imprensa coloca a escuderia junto da Ferrari em interesse. Ontem não havia espaço para as TVs do mundo todo entrevistar Rubens Barrichello e Jenson Button. Nelson Piquet, o pai, está em Melbourne. No ano passado compareceu apenas no GP da Espanha para acompanhar Nelsinho, na Renault. Outro megacampeão do mundo, Michael Schumacher, acompanha de perto o trabalho da Ferrari e como Nelson sequer olha para os jornalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.