Acidente incrível e emoção no 1º GP em São Paulo

Prova no Anhembi é marcada por confusão no início, para por causa da chuva, tem várias trocas de líderes e termina com vitória australiana

Ana Paula Garrido, Valéria Zukeran, Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

15 de março de 2010 | 00h00

A pressa não foi amiga da perfeição no balanço da primeira etapa da Fórmula Indy realizada ontem em São Paulo. A disputa teve vários percalços, como problemas na pista e interrupção por causa da chuva. Pelo menos terminou com sucesso de público e vitória do australiano Will Power, da equipe Penske.

A torcida brasileira teve sua recompensa ao ver um piloto do País no pódio: Vitor Meira, da A.J. Foyt, que ficou na terceira posição, atrás do americano Ryan Hunter-Reay (Andretti).

O domingo começou menos tenso que o dia anterior, quando o treino de classificação teve de ser adiado, porque o trecho da pista no sambódromo estava escorregadio. As obras feitas na madrugada para perfurar o concreto e torná-lo mais abrasivo surtiram efeito e os carros puderam competir com melhor aderência, apesar da poeira no início dos treinos livres da manhã. A classificação colocou o escocês Dario Franchitti (Chip Ganassi) na pole position. Tony Kanaan (Andretti), em sexto lugar, foi o melhor do País no grid.

A primeira disputa de posições, na largada, só durou 18 segundos porque vários carros se envolveram em dois acidentes na primeira curva. O brasileiro Hélio Castroneves (Penske) avariou o bico e teve de ir aos boxes. Voltou em 19º. Na batida mais séria, o brasileiro Mário Moraes (KV Racing) acabou sobre o carro de Marco Andretti, da equipe Andretti. O piloto norte-americano nada sofreu. A corrida logo foi retomada, mas o melhor brasileiro até aquele momento, Tony Kanaan, acabou tocado e rodou na 29.ª volta.

Interrupção. Então surgiu o pior: chuva. A pista ficou com poças d"água e os comissários de prova interromperam a corrida na volta 36. Foram 36 minutos de espera para que os competidores pudessem voltar, em bandeira amarela, com Franchitti na frente. O piloto, porém, não demorou a perder a ponta. Primeiro foi Hunter-Reay, depois Ryan Briscoe (Penske), até que Power chegou à ponta. A corrida foi encerrada na volta 61 (a previsão inicial era de 75), pois completou-se o período máximo de duas horas de disputa.

O presidente da São Paulo Turismo (SPTuris), Caio Luiz de Carvalho, admitiu problemas, mas considerou o saldo positivo. Levou em conta os 110 dias para preparar o evento e a agilidade para resolver o problema da reta do sambódromo. Acredita que em 2010 as falhas não se repetirão. "Talvez um de nossos erros foi o de que priorizamos a segurança e não pensamos na pista."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.