AFP
AFP

Acordo autoriza atuação de jogadores cubanos na liga de beisebol dos EUA

Pacto assinado entre federações dos dois países permite que jogadores da ilha possam atuar em equipes americanas sem ter de desertar

Redação*, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2018 | 01h52

HAVANA - A Federação Cubana de Beisebol (FCB) anunciou nesta quarta-feira, 19, que assinou um acordo com a Major League Baseball (MLB), principal liga de beisebol dos Estados Unidos, que permitirá que jogadores de Cuba assinem contratos com as 30 equipes profissionais americanas. Com a medida, os cubanos não terão mais de desertar para jogar nos EUA.

O acordo deve pôr fim às fugas que muitos jogadores tiveram de recorrer para chegar aos EUA e completar o sonho de jogar na principal liga do esporte. Além de atuar por equipes americanas sem perder a nacionalidade, os cubanos manterão o vínculo com a seleção de Cuba, o que era proibido em casos de fuga.

As negociações para o pacto duraram três anos e garante uma relação de parceira, estável e não politizada entre as ligas dos dois países. Para a FCB, o acordo é um "modo legítimo" para que os jogadores cubanos possam jogar em "igualdades de condições" na MLB.

A parceria também vale para cubanos que se mudaram para um terceiro país e, de lá, foram contratados por equipes que disputam a liga americana. Essa modalidade de "fuga" cresceu nos últimos cinco anos. Em 2015, mais de cem jogadores cubanos usaram esse caminho.

O governo de Cuba espera que a parceria contribua para conter atividades ilícitas, como o tráfico de pessoas. Muitos jogadores recorreram a esse tipo de serviço para chegar aos EUA.

Regras do acordo entre cubanos e americanos

Segundo o acordo, a FCB deverá liberar todos os jogadores contratados por equipes americanas que tenham mais de 25 anos e seis de experiência na Série Nacional do Campeonato Cubano. Os atletas que não cumprirem esses requisitos poderão ser autorizados a competir nos EUA, mas contratados como amadores.

Além disso, a entidade receberá uma quantia para liberar cada atleta, valor independente das negociações entre ele e sua equipe.

A entidade que comanda o beisebol cubano acredita que o acordo terá um impacto positivo para muitos atletas do país e o avaliou como um reconhecimento da qualidade do esporte na ilha. \ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.