Acordo está longe, diz Briatore

A Fota, a associação das equipes de Fórmula 1, ganhou importante apoio, ontem, na sua luta contra Max Mosley, o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), para não aceitar o regulamento imposto pelo dirigente para 2010. O príncipe de Mônaco, Albert Grimaldi, afirmou ontem que a prova do principado irá "aonde a Ferrari estiver". Assim, se não houver acordo entre Fota e FIA e as equipes resolverem partir para um campeonato próprio, poderão contar desde já com o GP mais tradicional do calendário.E as discussões, em princípio, estão longe de se encerrar. Apesar dos avanços nas reuniões de sexta-feira entre os representantes da Fota e Mosley, ontem de manhã Flavio Briatore, da Renault, comentou que as diferenças entre o que cada um defende ainda são grandes. Mas, como o presidente da Fota, Luca di Montezemolo, Briatore, seu diretor comercial, confirmou que a entidade está unida. Isso explica a razão de as inscrições para o próximo Mundial estarem abertas desde sexta-feira e nenhuma das dez equipes existentes ter se inscrito ainda."Nossas decisões serão tomadas em bloco. Não concordamos com o que nos está sendo imposto, até porque não tomamos parte na sua elaboração", explicou Briatore. Até ontem dois times novos apresentaram seus projetos para Mosley e há 13 vagas na Fórmula 1. A data-limite para inscrição é 29 de maio e a FIA já informou que não irá estendê-lo. Os dirigentes da Fota desdenharam da decisão de Mosley. "Quero ver com quem ele fará seu Mundial", afirmou um deles.

, O Estadao de S.Paulo

24 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.