''Acredito muito nesse formato 100% escola''

Felipe Massa será consultado, amanhã, em Miami, pelo médico Steve Olvey, neurologista da Fórmula Indy, bastante experiente em atender pilotos que sofreram impactos violentos, por conta da maior parte das provas na Indy ser disputada em circuitos ovais. Mas na quarta-feira estará em São Paulo para apresentar o Racing Festival. Antes de embarcar, Massa falou do imenso prazer de ver uma categoria que, como disse, "será muito útil" ao automobilismo brasileiro."Um menino de 16, 17 anos que sai hoje do kart, com seus 32 cavalos, tem duas opções: ir para a Europa ou permanecer no Brasil e competir na avançada Fórmula 3, com seus 230 cavalos, muito válida, mas me parece um pulo muito grande", comenta Massa. "É preciso ter alguma coisa entre um e outro carro de corrida." O piloto da Ferrari tomou pessoalmente a iniciativa de criar essa competição. "Acredito nesse formato, 100% escola. As condições serão as mesmas para todos e o equipamento disponibilizado é moderno, de ponta." Na sua visão, é a maneira correta de se evoluir no esporte."Quando os pilotos forem para o exterior, terão uma base mais apropriada com a realidade que encontrarão por lá", explica. Seu modelo de categoria-escola não representa grande novidade. "Já vem sendo utilizada em outros países, assim como o belo carro que escolhemos, e os resultados são bem positivos."O piloto da Ferrari competiu de kart dos 8 aos 17 anos quando estreou na Fórmula Chevrolet, também não mais existente. "Se houvesse um formato de disputa como o da Fórmula Future Fiat, eu teria enfrentado menos dificuldades. Não teria corrido os riscos que corri."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.