Adolescente quebra jejum do Havaí

Mais jovem campeã da história, a havaiana Carissa Moore põe fim a três décadas sem títulos da ''pátria'' da modalidade

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2011 | 00h00

A surfista que conquista recordes desde os 11 anos de idade levantou ontem, pela primeira vez na carreira, o maior troféu. Aos 18 anos, a havaiana Carissa Moore sagrou-se a mais jovem campeã mundial de surfe de todos os tempos, com a segunda colocação na etapa de Biarritz, na França, do circuito.

Carissa teve uma performance irretocável em 2011. Guardou lugar pelo menos na final de todas as seis etapas disputadas até aqui. Venceu três delas - na Gold Coast e em Sydney, na Austrália, e no Rio.

Conseguiu um título mundial feminino que a "nação" mais tradicional do surfe, o Havaí, não levava havia 30 anos, desde que Margo Oberg venceu em 1981.

"Realmente não sei nem explicar o que estou sentindo", disse a nova campeã mundial.

A havaiana já sabia do título desde a derrota da australiana Sally Fitzgibbons, a única que ainda poderia impedi-la, na semifinal. "Acho que foi a bateria que mais passei sorrindo e falando na vida (a da final contra Stephanie Gilmore)", contou.

Carissa é um fenômeno do surfe. Esta é apenas sua segunda temporada na elite do esporte, mas já se sabia que a havaiana seria capaz de muitas conquistas desde muito cedo.

Aos 7 anos, ela assinou seu primeiro contrato de patrocínio com uma das maiores grifes de material de surfe do planeta.

Quatro anos mais tarde, ganhou seu primeiro título, o da Liga Estudantil Norte-Americana.

A diferença para as demais jovens surfistas americanas era tanta que Carissa acabou competindo com os meninos de sua idade. E os vencia.

Antes de ingressar no circuito mundial, a havaiana conquistou 11 títulos das divisões de base da Liga Nacional Americana, outro recorde ainda por ser batido.

Agora, desbancou Stephanie Gilmore, considerada até há muito pouco tempo a "Kelly Slater do surfe feminino", com quatro títulos mundiais em quatro tentativas (de 2007 a 2010).

"Tudo isso é um grande sonho. Jamais poderia imaginar que seria esta a melhor temporada da minha vida", disse Carissa.

A própria Gilmore elogiou a adversária e mostrou-se renovada para tentar recuperar o título na próxima temporada.

"Ela foi de longe a melhor de 2011. Ninguém jamais havia estado em todas as finais e este é um recorde que ninguém pode tirar dela", afirmou a australiana.

Campeão ausente. O atual decacampeão mundial Kelly Slater perdeu por W.O. na estreia da etapa de Jeffreys Bay, na África do Sul. Ele preferiu aproveitar ótima ondulação que chegou a Fiji nos últimos dias. "Se puderem segurar o campeonato até domingo (amanhã), disputo a repescagem", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.