Adriana: pressão de jogar bem é nossa

Adriana Behar forma com Shelda Bede uma das duplas mais antigas do vôlei de praia feminino. Parceiras, que nos Jogos de Sydney, em 2000, tiveram de enfrentar a grande decepção por perder a final olímpica. Eram favoritíssimas e deixaram escapar o ouro para as australianas Cook e Pottharst. Têm a medalha de prata olímpica no currículo.AE - Há quantos anos você e a Shelda estão jogando juntas?Adriana - Formamos essa dupla há nove anos. É uma das duplas mais consolidada do vôlei de praia.AE - Vocês são unidas em quadra, têm harmonia. Também estão sempre juntas fora da quadra?Nem sempre. Isso não é uma regra. Temos amigos em comum e, às vezes, saímos juntas, mas ela tem o círculo de amizade dela e eu o meu. E também... já ficamos tanto juntas, é tanto treino. É bom cada uma ter a sua vida fora da quadra, não acha? Ninguém aguenta.AE - Você é casada?Não, sou solteira. A Shelda também.AE - A Shelda disse que vai te amar pelo resto da vida.Independente do que acontecer, independente de pararmos - já tenho 35 anos - de fato a proximidade com a Shelda sempre vai ser muito grande. O que vai sobrar disso é uma grande amizade, tenho certeza.AE - Novamente, como em Sydney, existe uma grande pressão pelo ouro, principalmente agora que vocês já garantiram a medalha de prata?Esse campeonato é muito especial (o torneio olímpico) porque a dupla joga o circuito mundial anos e anos sem ter o País inteiro olhando. Nos Jogos Olímpicos o Brasil inteiro está te olhando. Mas a pressão é nossa, de jogar bem. Vamos encarar como mais um campeonato e não como sendo uma questão de vida ou morte.AE - Essa dupla ganhou de tudo, é bicampeã mundial (1999 e 2001) e cinco vezes campeã do Circuito Mundial (entre 1997 a 2001), não ficou faltando apenas a medalha de ouro olímpica?Nossa vontade é de ganhar esse ouro, mas não posso desvalorizar tudo o que conquistamos nesses nove anos de disputas se não conseguirmos alcançar a medalha de ouro aqui.AE - E as americanas?Vendo o nosso retrospecto desse ano acho que vai ser difícil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.