''Adriano não teve intenção'', diz árbitro

Paulo César de Oliveira afirmou que Adriano não teve a intenção de pôr a mão na bola, no lance do primeiro gol. Por isso, validou o lance. ''Nossa interpretação foi de jogada normal. Não houve a intenção de toque de mão. Se o lance tivesse sido igual com um zagueiro, não teríamos marcado pênalti.'' Marcos Marinho, presidente da Comissão de Arbitragem da FPF, defendeu o árbitro. ''É um lance normal de jogo, mas vai haver discussão.''

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.