Adriano quer festejar em casa

Ele volta ao Maracanã para um jogo oficial depois de sete anos

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2008 | 00h00

Adriano ainda celebra a boa fase e faz hoje sua primeira partida após o desejado retorno à seleção brasileira. E o palco para mostrar ao técnico Dunga que está pronto para defender a amarelinha não poderia ser mais propício: o Maracanã. Nesta noite, o atacante volta ao estádio onde atuou várias vezes - nem sempre com grande brilho, é verdade - pelo Flamengo, time em que foi revelado. "Estou com muitas saudades de jogar no Maracanã", disse o artilheiro do São Paulo na temporada, com 16 gols em 27 jogos - média de 0,60 , superior àquela de quando jogou no Flamengo, de apenas 0,29 (41 partidas e 12 gols). "Vai ser realmente especial voltar para o lugar onde tudo começou." Essa deve ser a única oportunidade de Adriano atuar no histórico estádio carioca durante seu curto retorno ao futebol brasileiro. O São Paulo jogará no Mário Filho já no próximo mês, mas o atacante certamente não estará em campo. O jogo contra o Flamengo, marcado para o dia 14 de junho (sábado), será na véspera do duelo do Brasil com o Paraguai, em Assunção, pelas eliminatórias da Copa de 2010. Adriano, que estará praticamente no fim de seu contrato, ainda atuará diante da Argentina, no dia 18, no Mineirão, também pela fase de classificação do torneio na África do Sul.A última vez que Adriano pisou no Maracanã foi em um amistoso organizado por Zico em dezembro. Na ocasião, marcou duas vezes. Mas o último jogo profissional foi há quase sete anos. A despedida do estádio com a camisa rubro-negra aconteceu em maio de 2001: 1 a 1 contra o Coritiba, pela Copa do Brasil. "Vivi coisas boas lá e espero ser feliz novamente."Tanta vontade de fazer um bom jogo em casa tem motivo pessoal: Adriano que voltar para a Itália como campeão. "Ele está atravessando um momento ótimo na vida profissional e pessoal. Isso acaba aparecendo em campo", destacou o técnico Muricy Ramalho. "É claro que a ansiedade, o friozinho na barriga vão existir. É a volta à seleção e também à terra dele."PONTO POSITIVOUm estádio lotado, com mais de 70 mil torcedores adversários. Mesmo assim, os jogadores do São Paulo conseguem ver lado positivo no palco de hoje: a pressão da torcida do Fluminense pode atuar em seu favor. "Já joguei lá e sei que eles são muito impacientes", diz o lateral-direito Jancarlos, nascido no Rio e revelado pelo time das Laranjeiras. "Se o Fluminense não começar bem, os torcedores vão cobrar logo."Já Alex Silva celebra as dimensões do gramado carioca: 110 x 75 m, iguais às do Morumbi. Um campo grande, que permite contra-ataques fulminantes. "Com uma bola espirrada e uma saída rápida com o Adriano, podemos ser mortais", admite o zagueiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.