Adriano repete Ronaldo e diz ter costas largas

Atacante diz estar preparado para enfrentar pressão e invasão de sua vida particular, a caminho da convocação de Dunga

Bruno Lousada, RIO, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

A exemplo de Ronaldo, Adriano disse ter as costas largas para aguentar as cobranças, as pressões e a as manchetes que invadem sua vida particular. Nascido na Favela Vila Cruzeiro, zona norte do Rio, fez dali sua escola: aprendeu desde cedo a superar dificuldades. Num momento em que é questionado por sua demora na recuperação de uma contusão lombar e seu comportamento fora de campo, o atacante recorre às raízes para reforçar a esperança de ser chamado pelo técnico Dunga para disputar a Copa da África do Sul.

"Espero ser convocado. Estou tranquilo. Vão existir obstáculos, mas tenho de superá-los", declarou Adriano, certo de que qualquer polêmica envolvendo seu nome ganha uma dimensão maior. "Estou acostumado. Já sei lidar com isso. Estou sempre aberto para falar sobre tudo".

Vestido com camisa amarela na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), na Barra da Tijuca (zona oeste), tudo levava a crer que estava lá com interesses voltados para a seleção. Mas não era verdade, embora a causa também fosse nobre.

Adriano participou ontem do lançamento da cartilha "Na Rede Certa", contra o tráfico de crianças e adolescentes no esporte. Atleta-símbolo da ação voltada principalmente para pais, jovens jogadores, clubes e conselheiros tutelares, ele usou o próprio exemplo para alertar sobre esse crime "tão comum".

"Enfrentei isso no começo, mas não entrei nessa. Sei que as pessoas têm dificuldades e acabam aceitando dinheiro e promessas de empresários que querem levar seus filhos para o exterior. É preciso cuidado", ressaltou. "Passei por dificuldades, mas não desisti. Só os fortes vencem".

Adriano aproveitou a visita à CBF e recebeu, com cinco meses de atraso, os troféus de artilheiro e melhor atacante do Campeonato Brasileiro de 2009 - ele faltara à festa organizada pela entidade, um dia após a conquista rubro-negra, em dezembro.

Convocação no dia 11. Os 23 jogadores que disputarão a Copa da África do Sul pelo Brasil serão conhecidos no dia 11 de maio, em anúncio a ser realizado no Hotel Windsor, no Rio, às 13 horas, divulgou, ontem, a CBF. Dunga divulgará a lista, que, diz, não terá surpresas. "Foram três anos de trabalho, não há espaço para surpresas", declarou, anteontem, praticamente acabando com as chances de jovens estrelas como Neymar e Paulo Henrique Ganso. A seleção vai iniciar a preparação para o Mundial em Curitiba e, no dia 26 de maio, seguirá para a África. A estreia será em 15 de junho, contra a Coreia do Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.