Adriano rompe tendão e para por cinco meses

Durante o treino físico de ontem à tarde, no CT, atacante sentiu fortes dores no pé esquerdo.[br]Passa por cirurgia hoje

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2011 | 00h00

O atacante Adriano estava animado com sua recuperação no Corinthians. E feliz por ter perdido dois quilos em uma semana. Mas não suportou a carga de exercícios. Ontem à tarde, durante os trabalhos no gramado do CT do Parque Ecológico, sentiu uma forte dor no tornozelo esquerdo. Levado rapidamente para fazer exames na clínica do consultor médico do clube, Joaquim Grava, foi constatado que rompeu o tendão de Aquiles. O jogador vai passar por cirurgia hoje, no hospital São Luiz, no Morumbi, e ficará afastado dos gramados por cinco meses.

Adriano, que nunca teve histórico de lesões graves, vinha em fase final de recuperação de cirurgia no ombro (fazendo fisioterapia) e já aprimorava a forma física. Os médicos corintianos imaginavam que ele fosse perder rapidamente os seis quilos acima do peso e estaria apto para a estreia da equipe no Campeonato Brasileiro, dia 22 de maio, diante do Grêmio. Agora, só poderá ajudar o time na reta final do Nacional, a partir de setembro.

Rompimento no tendão de Aquiles é comum entre esportistas. A sobrecarga ou o excesso de exercícios físicos são os maiores vilões. Após a cirurgia, o jogador tem de ficar até três meses sem fazer esforço e pôr o pé no chão.

Recentemente, o técnico Bernardinho, do time feminino do Unilever/Rio e da seleção brasileira masculina de vôlei também sofreu essa contusão, assim como o lateral-esquerdo Junior César, do São Paulo.

Em março do ano passado, defendendo o Milan contra o Chievo, o inglês David Beckham sentiu uma dor ao carregar a bola, sozinho, e o rompimento acabou constatado. O jogador perdeu a Copa do Mundo.

Olho no Paulista. Quem nunca ouviu a frase "gato escaldado tem medo de água fria"? Ela serve para alertar sobre perigos, mostrar cautela, e se encaixa bem na filosofia de Tite para o duelo com o Oeste, sábado, em jogo único pelas quartas do Paulista, às 18h30, no Pacaembu. Ciente de que empate leva a decisão para pênaltis, o técnico dedicou o trabalho de ontem cedo para aprimorar a pontaria de seus jogadores. Todos os titulares - e alguns reservas - foram submetidos a série de cobranças.

O Alvinegro traz histórico preocupante de tropeços contra equipes do interior no ano, três no Pacaembu. As igualdades também custaram pontos preciosos. O time parou em Bragantino (1 a 1), Noroeste (1 a 1), São Bernardo (2 a 2), Paulista (0 a 0) e Botafogo (0 a 0). Ainda perdeu em casa para Ponte Preta (1 a 0) e São Caetano (2 a 1). "Fazer gol rápido será importante. E a qualidade técnica pode decidir esse jogo", disse o técnico Tite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.