África do Sul é campeã mundial

Equipe joga bem e bate a Inglaterra na final por 15 a 6

O Estadao de S.Paulo

21 de outubro de 2007 | 00h00

A África do Sul sagrou-se bicampeã mundial de rúgbi ao derrotar na final a Inglaterra por 15 a 6, ontem, no Stade de France, em Paris. No primeiro tempo a equipe sul-africana vencia por 9 a 3. O jogo teve como destaque a forte marcação de ambas as equipes e só foi definido nos últimos 10 minutos.O rúgbi não é um esporte popular no Brasil, mas desperta emoções em muitos países. A modalidade rivaliza com o futebol na África do Sul, que vai ser a sede da próxima Copa do Mundo, em 2010. O primeiro título sul-africano foi em 1995.No primeiro tempo, houve equilíbrio de forças. Apesar da vantagem sul-africana por 9 a 3, a Inglaterra soube neutralizar o ataque adversário, que se notabilizou na competição por dominar psicologicamente os rivais ao se impor pela força.A estratégia da Inglaterra no início da final foi amarrrar o jogo nos primeiros 20 minutos, período em que a África do Sul costuma definir a partida. Nos primeiros 12 minutos, o placar era de 3 a 3, com um pênalti convertido para cada equipe, Montgomery para a África do Sul, e Wilkinson para a Inglaterra. Mas aos 14 minutos, em outro pênalti cobrado com precisão por Montgomery, a África do Sul retomou a vantagem , da qual não se afastou mais. O jogo seguiu truncado até o final do primeiro tempo. Depois de perder um pênalti, por intermédio de Steyn, a África do Sul converteu outro, com Montgomery, e chegou ao placar de 9 a 3.Com a marcação muito forte da Inglaterra sobre sua estrela, Bryan Habama, restou à África do Sul se defender. Mas um lance polêmico no segundo tempo acabou definindo o título: o juiz recorreu ao vídeo para analisar um try da Inglaterra e decidiu transformá-lo em pênalti, que Wilkinson converteu. A Inglaterra não teve, porém, criatividade para conseguir outro try e a África do Sul liquidou o jogo com dois pênaltis, convertidos por Montgomery e Steyn.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.